Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Justiça espanhola abre processos contra polícia e dirigentes catalães

JAVIER SORIANO/ Getty Images

Na Catalunha, o clima de tensão está longe de serenar. Encorajado pela mobilização popular, o presidente do governo regional, Carles Puigdemont, assegura estar “a dias” de declarar independência da região

A justiça espanhola abriu esta quarta-feira processos contra o chefe da polícia da Catalunha e responsáveis independentistas, um dia depois do discurso crítico do rei contra os dirigentes catalães, que se dizem prontos a declarar a independência da região.

Depois do referendo proibido de domingo marcado pela violência policial, Madrid e Barcelona mantêm e extremam um conflito que é considerado o mais grave desde o golpe falhado de 1981.

Encorajado pelo referendo, a greve geral e a manifestação contra a violência policial, que esta terça-feira juntou 700.000 pessoas em Barcelona, o presidente do governo regional catalão, Carles Puigdemont, assegura que se prepara para declarar a independência "no final da semana ou no princípio da próxima semana".

Puigdemont vai fazer esta noite uma declaração institucional às 21h (20h00 em Lisboa), transmitida pela televisão, segundo fontes da Generalitat (governo regional).

Os resultados provisórios do referendo, em que votaram apenas 42% dos 5,3 milhões de eleitores, são de 90% de votos favoráveis à independência, mas subsistem dúvidas quanto à transparência da votação e do escrutínio dada a natureza ilegal da consulta e as medidas tomadas para a impedir.

Esta quarta-feira, a justiça de Espanha anunciou ter "convocado com vista a acusação formal" o chefe dos Mossos d'Esquadra (polícia regional catalã), Josep Lluis Trapero, uma sua adjunta e dois dirigentes de associações independentistas, no âmbito de um "inquérito por sedição".

O inquérito diz respeito aos factos ocorridos a 20 de setembro, quando a detenção de 14 responsáveis do governo separatista desencadeou manifestações contra a polícia nacional em Barcelona.

A polícia catalã é acusada de protelar a sua intervenção para libertar elementos da polícia nacional que estavam cercados num edifício onde realizavam buscas.

O código penal espanhol prevê que a sedição de um funcionário seja punida com pena até 15 anos de prisão.