Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Maior partido da oposição no Japão anuncia que não vai concorrer às eleições antecipadas

Koike, de 65 anos, abandonou o partido do atual Governo no ano passado e o seu novo partido conseguiu derrotá-lo nas eleições locais

TOSHIFUMI KITAMURA/GETTY

A governadora de Tóquio Yuriko Koike reforçou as suas hipóteses de impedir a reeleição do primeiro-ministro Shinzo Abe com este anúncio do Partido Democrático

O principal partido da oposição no Japão, o Partido Democrático (PD), anunciou esta quinta-feira que não irá concorrer às eleições antecipadas, de 22 de outubro, de modo a deixar que os seus candidatos possam candidatar-se pelo novo partido da governadora de Tóquio Yuriko Koike.

O PD, que esteve no poder entre 2009 e 2012, não conseguiu posteriormente recuperar do impacto da derrota e assistiu ao emagrecimento das suas fileiras.

O anúncio ocorre no mesmo dia em que o primeiro-ministro Shinzo Abe dissolveu a câmara baixa do parlamento e foi marcada a data das eleições antecipadas.

“Eu decidi convocar esta eleição porque nós temos de superar esta crise nacional da ameaça vinda da Coreia do Norte e de termos população a envelhecer obtendo um novo mandato do povo”, disse Abe aos jornalistas.

O novo Partido da Esperança de Yuriko Koike surge com 18% das intenções de voto, enquanto o Partido Liberal Democrático (PDL) atualmente no poder reúne 29%, numa sondagem publicada no jornal “Mainichi”.

“Eu sou alguém que está sempre preparada para tomar medidas”, afirmou Koike numa conferência de imprensa em que falou dos seus feitos desde que se tornou governadora há um ano.

Koike, de 65 anos, abandonou o PDL no ano passado e o seu novo partido conseguiu derrotá-lo nas eleições locais.

O seu posicionamento político conservador não difere muito do do atual Governo, mas Koike distanciou-se com o anúncio de medidas especificas como o abandono da dependência do país da energia nuclear até 2030.

A governadora de Tóquio afirmou que não irá candidatar-se para assumir a chefia do Governo, mas circulam especulações de que tal irá acabar por ocorrer.