Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ex-responsáveis de hospital do Vaticano acusados de desviar fundos

Franco Origlia/GETTY

Os dois indivíduos são acusados de desviar 422 mil euros, em 2013 e 2014, para a remodelação do apartamento do Vaticano, do cardeal Tarcisio Bertone

O Tribunal do Vaticano acusou dois ex-altos funcionários de um hospital infantil de Roma, propriedade do Vaticano, por alegadamente terem desviado cerca de 422 mil euros para renovar o apartamento do cardeal Tarcisio Bertone.

Giuseppe Profiti e Massimo Spina, respetivamente o antigo presidente e ex-tesoureiro do hospital Bambino Gesu, vão a julgamento num processo que terá início no próximo dia 18 de julho, segundo um comunicado.

Os dois homens são acusados de desviar 422 mil euros, em 2013 e 2014, para a remodelação do apartamento do Vaticano, do cardeal Tarcisio Bertone. O cardeal que foi secretário de Estado do Vaticano entre 2006 e 2013, durante a maior parte do pontificado do Papa Bento XVI e, por isso, um dos homens mais poderosos da Santa Sé, não foi indiciado.

Bertone foi demitido do cargo em 2013, oito meses após a eleição do Papa Francisco.

De acordo com a Reuters, Profiti e Spina, caso sejam condenados, arriscam penas de prisão de três a cinco anos, sob as leis do Vaticano sobre conspiração para cometer um crime e apropriação indevida de fundos.

Bertone afirmou que não tinha conhecimento de onde provinham as verbas. Segundo funcionários do hospital, Bertone deu 150 mil euros ao hospital pediátrico, de forma a corrigir os danos causados na imagem do hospital.

Segundo a acusação do Vaticano, o dinheiro foi desviado diretamente para o chefe da empresa de construção italiana que teve a cargo as obras do apartamento.