Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Primeiro-ministro iraquiano chegou a Mossul para assinalar vitória sobre o Daesh

Soldados iraquianos descansam na zona velha de Mossul

ALAA AL-MARJANI

Espera-se que o primeiro-ministro anuncie a derrota final do Daesh nas próximas horas, depois de vários responsáveis militares terem assegurado que a vitória sobre o grupo jiadista estava iminente

O primeiro-ministro iraquiano, Haidar al Abadi, chegou este domingo à cidade libertada de Mossul e felicitou os combatentes pela “grande vitória alcançada” perante os combatentes do grupo jiadista autoproclamado Estado Islâmico (Daesh).

“O primeiro-ministro chegou à cidade libertada de Mossul e felicitou os heroicos combatentes e o povo iraquiano pela grande vitória alcançada”, lê-se num comentário publicado pelo gabinete de imprensa de Haidar al Abadi no Twitter.

Espera-se que o primeiro-ministro anuncie a derrota final do Daesh nas próximas horas, depois de vários responsáveis militares terem assegurado desde sábado que a vitória sobre o grupo jiadista estava iminente.

O comandante das Forças Antiterroristas iraquianas, Ali Awad, assegurara, contudo, hoje de manhã à agência espanhola EFE que alguns combatentes do Daesh estavam a oferecer resistência na zona de Al Midan, o último reduto dos radicais na localidade do norte do Iraque.

Awad acrescentou que os combates estão a ser muito violentos e advertiu que na zona permanecem centenas de famílias.
No sábado, o porta-voz do Comando de Operações Conjuntas, Yehia Rasul, perspetivava uma “vitória frente ao grupo terrorista nas próximas horas, depois de limpar [de explosivos] todas as zonas de Mossul”.

A mesma fonte referia, porém, que os confrontos com os elementos do Daesh prosseguiam em Al Maidan e noutras zonas muito limitadas na parte antiga da cidade.

A ofensiva para expulsar os jihadistas do Daesh de Mossul e de todo o norte do Iraque começou em outubro do ano passado e desde então que as tropas iraquianas, apoiadas por milícias e pelo exército curdo, têm combatido os extremistas, que ocuparam várias áreas no verão de 2014.