Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Saga CNN vs. Donald Trump sobe de tom

Mark Makela

Canal norte-americano está a ser criticado por aparente ameaça ao utilizador de Reddit que criou o vídeo publicado pelo Presidente no Twitter, em que Trump agride um homem com o logótipo da CNN estampado na cara

Na terça-feira à noite (madrugada de quarta em Portugal), a CNN publicou um artigo no seu site sobre um utilizador do Reddit que criou o já famoso vídeo em que Donald Trump surge a espancar um homem com o logótipo do canal televisivo estampado na cara.

No artigo, o canal descreve como apurou a identidade do utilizador HanAssholeSolo e o seu historial de declarações racistas, antissemitas e islamofóbicas na internet, entre elas a publicação de fotos de vários funcionários da CNN ladeadas por estrelas de David, para os identificar como judeus.

A dada altura pode ler-se nesse artigo: "A CNN não vai divulgar o nome de HanA**holeSolo porque é um cidadão privado que nos enviou um extenso comunicado a pedir desculpa, demonstrando remorso e dizendo que já retirou todas as suas publicações ofensivas da internet, e porque ele diz que o seu comunicado pode servir como exemplo para que outros façam o mesmo." Logo a seguir surge uma espécie de aviso: "A CNN reserva-se o direito de divulgar a sua identidade se isso mudar."

Os parágrafos angariaram de imediato duras críticas de vários jornalistas norte-americanos, por aparentarem ser uma ameaça velada à pessoa em questão, dando a entender que poderá ser castigada (leia-se, ter a sua identidade revelada ao mundo) se não se comportar como o canal quer.

Nas redes sociais surgiu a hashtag #CNNBlackmail, disseminada sobretudo por conservadores e apoiantes do Presidente norte-americano que acusam o canal televisivo de falta de ética.

CNN defende-se

No rescaldo das críticas, o autor do artigo em questão, Andrew Kaczynski, veio garantir que não pretendia ameaçar ninguém com aqueles dois parágrafos, explicando que o autor do vídeo falso pediu desculpa pelo seu comportamento antes de falar com a CNN ao telefone mas já depois de ter enviado um email ao canal.

Em comunicado, a CNN acrescentou que "decidiu não publicar o nome do utilizador de Reddit por estar preocupada com a sua segurança", sublinhando que "qualquer asserção de que o canal chantageou ou exerceu pressões sobre ele é falsa". No documento, é ainda referido que, ao contrário do que foi noticiado por alguns media, o utilizador em questão "é um homem adulto, e não um rapaz de 15 anos", que "pediu desculpa e apagou a sua conta ainda antes de ter falado com o nosso jornalista".

"A CNN nunca firmou qualquer acordo de qualquer espécie com o utilizador", refere ainda o canal. "Na verdade, a CNN incluiu a decisão de ocultar a identidade do utilizador [nesse artigo] numa tentativa de ser completamente transparente quanto à inexistência de qualquer acordo."

"Se a CNN quisesse realmente ocultar as informações sobre HanAssholeSolo independentemente do que ele fez, então porque é que diz que está a manter essas informações privadas ocultas só porque ele é um cidadão privado?", questionava esta quarta-feira o jornalista German Lopez no site Vox. "E porque é que disse que poderia divulgar as informações privadas com uma condição explícita associada ao seu comportamento?"

As referências são desnecessárias, acrescenta Lopez "porque uma organização de media pura e simplesmente não pode divulgar informações pessoais sobre um cidadão privado". No jornalismo, "existe uma clara linha a separar figuas públicas e privadas", com as primeiras a serem "sujeitas a padrões mais elevados porque representam os seus gabinetes públicos, indústrias e por aí fora".

Às segundas, pelo contrário, "é garantido o véu da privacidade porque não é realmente do interesse público obter informações privadas sobre esta ou aquela pessoa de forma aleatória", ressalta o jornalista. "Imagine-se que a situação era ao contrário: que alguém com visões liberais publicava um GIF de wrestling com um político democrata a espancar um homem cuja cabeça era o logótipo da Fox News. Deveria a Fox News ser autorizada a dizer ao utilizador de Reddit que ia publicar as suas informações privadas se ele não se comportar como a Fox News quer? O meu palpite é que muitos liberais não apreciaram que a Fox News o fizesse. E não devem apreciá-lo."

Depois de a identidade do utilizador ter sido apurada, o jornalista que denunciou HanAssholeSolo e o seu historial racista na internet tem estado a ser alvo de ameaças de morte por grupos neonazis e apoiantes do Presidente Trump.

Esta não é a primeira vez que a CNN dá por si sob intenso escrutínio por causa da cobertura mediática da administração. Há uma semana, três jornalistas do canal demitiram-se após ter sido revelado que publicaram um artigo sobre um homem ligado a Donald Trump com base numa única fonte anónima e pouco sólida.

DON EMMERT

Isto tem servido para que o Presidente reforce a sua retórica contra todos os jornalistas e meios de comunicação que continuam empenhados em investigar potenciais ilegalidades e comportamentos suspeitos de Trump e da sua equipa, incluindo as suspeitas de conluio da campanha republicana com a Rússia para alterar os resultados das presidenciais.

Recorde-se que, ainda antes de tomar posse, Trump lançou uma "guerra contra os media", acusando-os de "perseguição" e prometendo alterar as leis de difamação em vigor nos EUA para poder processar judicialmente os jornalistas e os media que publicarem artigos incómodos sobre a sua pessoa e os que lhe são próximos.

No final de março, a administração voltou a sugerir que vai mudar as leis de difamação, que para já continuam alteradas, com a Constituição a garantir a proteção da liberdade de imprensa. Contudo, já aconteceu mais do que uma vez o governo proibir determinados meios de comunicação de fazerem a cobertura da Casa Branca desde que Trump tomou posse a 20 de janeiro.