Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ministro dos Negócios Estrangeiros da Alemanha diz que não há risco de guerra no Golfo

Adam Berry/GETTY

Sigmar Gabriel diz que não há risco de guerra na região Golfo, apesar da reação irritada das quatro nações árabes perante a resposta do Qatar à crise

Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes Unidos e Bahrein, que impuseram um bloqueio ao Qatar pelo seu alegado envolvimento com o terrorismo internacional, emitiram uma declaração conjunta no Cairo, esta quarta-feira, em que afirmaram que a resposta de Doha às suas exigências para acabar com a crise não era “séria”.

Sigmar Gabriel, que visitou a Arábia Saudita, o Qatar e o Kuwait durante esta semana, assegurou que os serviços de informação da Alemanha vão ajudar a esclarecer as acusações dos vizinhos do Qatar, de que o país vem apoiando extremistas islâmicos. O MNE alemão disse à rádio “Deutschlandfunk”, na quinta-feira, que existe um acordo de partilha de informações entre o Qatar e os serviços secretos alemães em caso de “dúvidas sobre certas pessoas ou estruturas” relacionadas com aquele país do Golfo.

A 5 de junho, a Arábia Saudita, o Egito, os Emirados Árabes Unidos e o Bahrein cortaram relações diplomáticas com o Qatar, país que acusam de apoiar o terrorismo e de se aliar ao inimigo regional Irão. Doha, no entanto, nega as acusações. Esta é a mais grave crise regional desde a guerra do Golfo de 1991.

As exigências feitas ao Qatar pelos seus vizinhos incluem o encerramento da televisão “Al Jazeera”, de uma base militar da Turquia no Qatar e uma redução das ligações diplomáticas com o Irão. Ainda como condição para solucionar esta crise, os quatro países exigiram que Doha corte quaisquer contactos com a Irmandade Muçulmana e com grupos fundamentalistas islâmicos.