Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Guterres sobre refugiados: “Portugal tem sido impecável na expressão dessa solidariedade”

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Secretário-geral da ONU apelou à comunidade internacional para restabelecer a integridade do regime de proteção internacional dos refugiados

Cristina Peres

Cristina Peres

Jornalista de Internacional

O secretário-geral das Nações Unidas (ONU) afirmou esta segunda-feira que Portugal tem assumido as suas responsabilidades na resposta à crise dos refugiados.

“Portugal, não estando na primeira linha, tem cumprido exemplarmente as suas obter e a legislação internacional dos refugiados como a convenção de 1951”, declarou António Guterres após a reunião Tidewater 2017 em Lisboa

“Nesse domínio, Portugal tem sido um aliado permanente assumindo as responsabilidades no quadro europeu, tendo em conta que só no quadro da solidariedade europeia será possível dar resposta a esta situação. Portugal tem sido impecável na expressão dessa solidariedade”, acrescentou.

Sublinhando que o mesmo não se verifica em todo o velho continente e no mundo, o líder da ONU apelou à comunidade internacional para respeitar os direitos dos refugiados. “Por isso, a grande preocupação que tenho é apelar à comunidade internacional para que restabeleça a integridade do regime de proteção internacional dos refugiados e restabelecer as condições a que os refugiados têm direito quando fogem de situações de perigo dramáticas como as que ocorrem no Médio Oriente e alguns pontos do continente africano.”

Guterres alertou ainda que a resposta humanitária às situações de fome nas regiões do mundo mais atingidas tem sido insuficiente para "responder integralmente ao desafio".

A intervenção das agências da ONU e das organizações não-governamentais tem conseguido "evitar o pior", como atingir "níveis tão dramáticos como se registaram na Somália em 2011", mas só consegue chegar a zonas onde a segurança o permita e enfrenta "fortes limitações" pela falta de verbas.

"O financiamento que foi solicitado está apenas assegurado a 40%, precisaríamos de fazer muito mais para responder integralmente ao desafio a que fazemos face", considerou.
Durante o encontro, Santos Silva e Guterres abordaram temas relacionados com a próxima Assembleia Geral das Nações Unidas, nomeadamente no que concerne à reforma daquela organização, a crise do Golfo e a situação na Venezuela, na Líbia e na Síria.