Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Polícia brasileira entrega relatório sobre investigações contra Temer

Igo Estrela/Getty Images

Presidente brasileiro terá autorizado o pagamento de suborno para o ex-deputado Eduardo Cunha, preso e condenado desde o ano passado por envolvimentos nos crimes de corrupção cometidos na estatal petrolífera Petrobras.

A polícia federal entregou na tarde desta segunda-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) do Brasil um relatório com suas conclusões sobre as investigações contra o Presidente do país, Michel Temer.

O Presidente foi envolvido num grande escândalo de corrupção por executivos da empresa JBS, uma multinacional brasileira do sector de produção e exportação de carnes, que fez um acordo judicial para delatar crimes que praticou em troca de perdão judicial.

Segundo os elementos da JBS, o Presidente brasileiro e seus principais aliados políticos receberam suborno da companhia em troca de favores junto a órgãos públicos.

O próprio Michel Temer foi gravado numa conversa comprometedora entregue por um dos donos da JBS, o empresário Joesley Batista, na qual ele supostamente autoriza o pagamento de suborno para o ex-deputado Eduardo Cunha, preso e condenado desde o ano passado por envolvimentos nos crimes de corrupção cometidos na estatal petrolífera Petrobras.

Uma perícia completa da gravação desta conversa do Presidente do Brasil com o dono da JBS também foi entregue esta segunda-feira ao STF.

O relatório final sobre as suspeitas contra Michel Temer ainda não foi tornado público, mas uma investigação parcial divulgada na semana passada pela polícia federal afirmava que existem fortes indícios de que o chefe de Estado praticou o crime de corrupção passiva.

Fora o conteúdo deste primeiro relatório, os investidores ainda precisavam esclarecer se Michel Temer cometeu os crimes de obstrução de Justiça e formação de organização criminosa.

A imprensa local adiantou esta segunda-feira que o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, escreveu num parecer enviado ao STF, que, na visão dele, não há dúvidas de que o Presidente brasileiro cometeu o crime de corrupção.

De acordo com o Procurador-Geral, Michel Temer organizou o recebimento de "vantagens indevidas em troca de favores" usando um ex-assessor que ocupava o cargo de deputado federal chamado Rodrigo Rocha Loures para negociar e receber o suborno da JBS.

Rodrigo Rocha Loures foi gravado pela polícia federal ao receber uma mala de dinheiro da JBS e depois de perder o cargo de deputado, que ocupava na condição de interino, acabou preso.
Rodrigo Janot deve entregar uma denúncia formal contra Michel Temer ao STF até a próxima terça-feira, mas um processo contra o chefe de Estado só poderá ser aberto com a autorização dos membros do Congresso do país, cuja maioria ainda faz parte da base aliada do Governo.