Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Jeff Sessions nega reuniões com russos para influenciar eleições norte-americanas

Win McNamee/Getty Images

Procurador-geral dos Estados Unidos afirmou que qualquer sugestão de que tenha conspirado com o Governo russo para influenciar as eleições de 2016 é “uma mentira descarada e detestável”. Explicou ainda que se afastou da investigação sobre a suposta ingerência russa nas eleições americanas por não considerar apropriada a sua participação, não por ter cometido qualquer delito durante a campanha

O procurador-geral dos Estados Unidos, Jeff Sessions, disse esta terça-feira que “nunca” se reuniu com qualquer funcionário do Governo russo para influenciar as eleições presidenciais de 2016.

“Nunca me reuni nem tive qualquer conversa com nenhum funcionário russo ou com qualquer funcionário de qualquer Governo estrangeiro para influenciar as eleições dos Estados Unidos”, disse esta terça-feira perante o Comité dos Serviços de Inteligência do Senado, que investiga a suposta ingerência russa nas eleições.

Jeff Sessions disse também que, qualquer sugestão de que tenha conspirado com o Governo russo para influenciar as eleições de 2016 é “uma mentira descarada e detestável”. “Qualquer sugestão de que participei em qualquer conluio com o Governo russo para prejudicar este país, ao qual tive a honra de servir durante 35 anos, ou que tenha minado a integridade do nosso processo democrático, é uma mentira descarada e detestável”, afirmou Sessions ao Senado.

O responsável também disse que confiava em Robert Mueller, ex-diretor do FBI que foi nomeado pelo Departamento de Justiça da administração Trump para conduzir a investigação à alegada interferência da Rússia nas eleições presidenciais norte-americanas de 2016 e ao possível conluio com a campanha de Donald Trump.

E explicou que se afastou da investigação a 2 de março porque tinha participado ativamente na campanha do agora Presidente, Donald Trump, e não considerava apropriado participar na investigação. Mas não, acrescentou, por ter cometido qualquer delito durante a campanha.

A audiência de hoje foi pública, a pedido de Jeff Sessions, por considerar “importante que o povo norte-americano escute a verdade diretamente dele próprio”. No fim de semana, o departamento governamental já tinha adiantado que Sessions compareceria hoje, mas não tinha precisado se seria um testemunho público ou à porta fechada.

Com esta comparência, Sessions pretende responder ao testemunho emitido na semana passada, perante este mesmo comité, pelo ex-diretor do FBI James Comey. Comey sugeriu que Sessions se afastou a 2 de março da investigação sobre a suposta ingerência russa nas eleições presidenciais de novembro nos EUA devido à sua participação numa série de factos que, por serem considerados como “classificados”, não revelou perante o público.

  • Há uma crise constitucional à vista mas Trump continua a salvo

    Primeiro James Comey foi ao Senado confirmar que o Presidente Trump lhe pediu para suspender uma investigação à ingerência russa nas eleições e ao alegado conluio entre a equipa do líder e Moscovo. Esta semana, é a vez de Jeff Sessions, chefe do Departamento de Justiça também ele suspeito de contactos ilícitos com um diplomata russo, ir prestar declarações à mesma comissão. Pelo meio, um procurador que Trump despediu veio dar força às acusações de obstrução à Justiça — mas, até ver, falar de destituição continua a ser “prematuro”

  • Trump pronto para testemunhar sobre polémica com ex-diretor do FBI

    Numa conferência de imprensa, na Casa Branca, o Presidente norte-americano disse que estava prontos “a 100%” para testemunhar sob juramento e negou ter mandado o ex-diretor do FBI James Comey abandonar o inquérito à alegada ingerência da Rússia nas eleições presidenciais

  • Juro que a Casa Branca escolheu difamar-me

    Ex-diretor do FBI, afastado recentemente do cargo por Donald Trump, contou a sua verdade num depoimento público no Senado dos EUA. Comey não tem dúvidas de que o governo russo tentou mesmo influenciar as eleições norte-americanas

  • Comey: “Fiz o que tinha de fazer”

    Antigo diretor do FBI continua a ser interrogado no Senado. Por duas vezes, James Comey recusou responder a questões sobre o alegado envolvimento de Donald Trump e de membros da sua campanha eleitoral sobre o envolvimento com os russos

  • O que James Comey se prepara para revelar e que ameaça a administração Trump

    Chegou o dia da audiência pública do ex-diretor do FBI que o Presidente despediu há um mês, sendo de imediato acusado de obstrução à Justiça. Esta quinta-feira, alguns democratas e republicanos do Senado vão tentar apurar mais pormenores sobre as reuniões entre ambos que precederam a demissão de Comey. Se houver suspeitas concretas e o mínimo de união no Congresso, poderá ser aberto um processo de destituição contra Donald Trump