Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Opositor de Putin preso quando saía para as manifestações que convocara

A polícia deteve vários manifestantes na Rua Tverskaya onde decorriam as comemorações oficiais do Dia da Rússia

SERGEI CHIRIKOV/EPA

Alexei Navalny aproveitou o feriado em que se assinala o fim da União Soviética para promover novos protestos contra a corrupção do atual regime. Dezenas de milhares de pessoas estão a manifestar-se em todo o país

“Alexei disse-me para vos passar a mensagem de que o plano se mantém”, escreveu a mulher de Alexei Navalny no Twitter, após o líder da oposição russa ter sido detido esta segunda-feira de manhã, quando saia de sua casa para participar nas manifestações que convocara.

Dezenas de milhares de pessoas estão a participar nos protestos contra a corrupção do atual regime, que decorrem no feriado em que se assinala o aniversário da declaração de Boris Ieltsin de soberania da Rússia relativamente à União Soviética.

O procurador-geral de Moscovo declarara que Navalny alterara ilegalmente o local da manifestação na capital e que as forças de segurança iriam tomar medidas. A mudança da manifestação em Moscovo para a Rua Tverskaya, onde decorrem as comemorações oficiais do Dia da Rússia, foi encarada como uma provocação pelas autoridades. O local contou com um forte contingente policial. Há imagens de diversos manifestantes a serem detidos.

Há também informações de que outros líderes do movimento de Navalny foram detidos ou impedidos de saírem de suas casas esta segunda-feira. Pelo menos 10 pessoas foram detidas na manifestação na cidade de Vladivostok, quatro em Blagoveshchensk e pelo menos uma em Kazan.

Anteriormente, havia sido concedida autorização para manifestações em 169 locais em todo o país, com os protestos a proporcionarem transmissões em direto no Navalny Live, o canal do opositor russo no YouTube.

Em 2018, Alexei Navalny pretende disputar a presidência com Putin. Em 2013, candidatou-se à autarquia de Moscovo, tendo ficado em segundo lugar, com 27%, atrás do candidato apoiado pelo atual Presidente

Em 2018, Alexei Navalny pretende disputar a presidência com Putin. Em 2013, candidatou-se à autarquia de Moscovo, tendo ficado em segundo lugar, com 27%, atrás do candidato apoiado pelo atual Presidente

SERGEI ILNITSKY / EPA

A internet tem sido um dos principais meios utilizados por Navalny para difundir as suas mensagens de denúncia da corrupção. Num recente vídeo, denunciou os sinais de enriquecimento do primeiro-ministro Dmitry Medvedev.

Para esta segunda-feira lançara o repto de ultrapassar as dezenas de milhares de manifestantes que saíram às duas no passado dia 26 de março em 80 cidades russas, no maior protesto ocorrido na Rússia desde 2012. Centenas de pessoas foram detidas nesse dia, entre as quais o próprio Navalny,

O advogado de 41 anos, líder do Partido do Progresso, já esteve preso por diversas vezes sob acusações de corrupção, acusações essa que refuta por consider que têm motivações políticas. Os media estatais têm procurado denegrir a sua imagem, apresentando-o como um fantoche das potências ocidentais, sem um verdadeiro plano para o país.

Em 2018, Alexei Navalny pretende disputar a presidência com Putin. Em 2013, candidatou-se à autarquia de Moscovo, tendo ficado em segundo lugar, com 27%, atrás do candidato apoiado pelo atual Presidente.