Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Governo espanhol considera venda do Banco Popular ao Santander “uma boa saída”

EMMANUEL DUNAND/GETTY

Ministro da Economia espanhol congratula-se com o facto de a operação ser “levada a cabo sem a utilização de recursos públicos”, ao mesmo tempo que garante a máxima proteção dos depositantes e a continuidade da atividade do banco

O ministro da Economia espanhol, Luis de Guindos, afirmou esta quarta-feira que a compra de 100% do Banco Popular por um euro pelo Santander é uma "boa saída para a entidade" dispensa a "utilização de recursos públicos".

"É uma boa saída para a entidade, dada a situação a que havia chegado nas últimas semanas, e que implica a máxima proteção dos depositantes e a continuidade da atividade", destacou o ministro em declarações aos meios de comunicação social.

A operação, assinalou, "foi levada a cabo sem a utilização de recursos públicos e sem que tenha produzido um eventual contágio soberano e bancário, com o ocorreu em épocas passadas".

"A atual situação é muito diferente do que se passou em 2012, devido à boa saúde do conjunto do sector financeiro e da economia espanhola em geral", concluiu.

De Guindos disse ainda que a "decisão foi tomada com total transparência e cumprimento estrito da norma comunitária".
O Banco Santander anunciou esta quarta-feira a aquisição de 100% de Banco Popular por um euro, após o Banco Central Europeu ter constatado a inviabilidade da instituição de forma independente e a fim de garantir a segurança dos depositantes do Popular.

Em comunicados separados, o Fundo de Reestruturação Ordenada Bancária (FROB) e o próprio Santander indicam que a compra ocorre depois de um processo competitivo de venda organizado "no âmbito de uma medida de resolução", adotado pelo Conselho Único de Resolução europeu e executado pelo FROB.

Com esta decisão garante-se "a segurança dos depositantes do Banco Popular e a ausência de impacto para as finanças públicas" espanholas.

Como parte da operação, o Santander tem previsto realizar um aumento de capital de aproximadamente 7.000 milhões de euros, "que cobrirá o capital e as provisões necessárias para reforçar o balanço do Banco Popular", segundo um comunicado enviado à Comissão Nacional de Mercado de Valores (CNMV).

A aquisição do Banco Popular faz com que o Banco Santander se torne no maior banco em Espanha.

A transação tem lugar depois de aquela entidade, cujas contas estão muito sobrecarregadas pelos ativos imobiliários, ter perdido em bolsa mais de 50% do seu valor nos últimos dias e "sofrido uma significativa deterioração na sua posição de liquidez", segundo explica o Banco Central Europeu (BCE).

Pouco antes de o negócio ser anunciado, a CNMV acordou suspender de forma cautelar a negociação das ações do Banco Popular devido a circunstâncias passíveis de afetar o normal desenvolvimento das operações nos mercados bolsistas.

  • Santander compra Banco Popular... por um euro

    Compra obriga o banco espanhol a injetar 7000 milhões de euros no Popular. Filial portuguesa “passa a integrar o grupo do Banco Santander”, refere uma nota do Banco de Portugal, que salienta que esta medida não implica “qualquer alteração na atividade do banco português”