Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Daesh reivindica duplo atentado em Teerão. Há 12 mortos, vários feridos e reféns no Parlamento

O mausoléu onde o aiatola Khomeini está enterrado dista vários quilómetros do parlamento iraniano

John Moore

Tiroteio dentro do edifício ainda está a decorrer. Há relatos contraditórios sobre o número de feridos e mortos, com alguns media locais a falarem em pelo menos 12 vítimas mortais. A IRNA, a agência estatal iraniana, diz que a polícia já deteve um dos suspeitos. Assalto já reivindicado pelo Daesh foi lançado ao mesmo tempo que um ataque suicida frente ao mausoléu do aiatola Khomeini, a vários quilómetros de distância do Parlamento

Um grupo de homens armados abriu fogo no Parlamento iraniano esta quarta-feira de manhã, com um outro ataque registado frente ao túmulo do aiatola Khomeini na capital, Teerão. Ainda não há balanço oficial de vítimas, mas alguns media locais falam em pelo menos 12 mortos e vários feridos. O tiroteio dentro do Parlamento ainda está a decorrer e fontes no terreno dizem que, neste momento, as autoridades estão a lidar com uma "situação de reféns".

Numa gravação captada no interior da câmara do Parlamento e citada pela BBC, ouve-se uma intensa troca de tiros, havendo rumores de que pelo menos um segurança do edifício morreu, enquanto outros três ficaram feridos. Junto ao relicário de Khomeini, dedicado ao fundador da república islâmica implementada com a revolução de 1979, "várias pessoas ficaram feridas", aponta o canal britânico. Esse segundo ataque envolveu pelo menos um bombista-suicida e dois ou três homens armados.

À IRNA, agência estatal iraniana, Ali Khalil, do gabinete de relações públicas do mausoléu, disse que um homem armado se fez explodir em frente a um banco nas imediações do monumento. O site Fars News diz que o bombista-suicida era um homem disfarçado de mulher. Aliás, segundo o ministro irianiano do Interior todos os atacantes estacam disfarçados de mulheres. A agência iraniana Labour News, por sua vez, diz que dois atacantes já foram detidos e que, na zona do mausoléu, uma pessoa morreu e cinco ficaram feridas.

As notícias mais recentes dão conta de que o ataque dentro do Parlamento iraniano ainda está a decorrer. Uma imagem publicada pelo site Tasmin News mostra o que parece ser um atirador com uma arma de assalto a disparar tiros a partir de uma janela do primeiro andar do edifício. Um vídeo da Press TV publicado pela CNN mostra imagens do caos nas imediações do Parlamento.

À ISNA, a agência de notícias dos estudantes iranianos, o deputado Seyyed Hossein Naqavi-Hosseini disse que há três homens armados dentro do parlamento, na zona dos gabinetes dos deputados. O canal televisivo IRINN diz que entre sete a oito pessoas ficaram feridas no ataque ao parlamento, atribuído pela estação a quatro homens armados com Kalashnikovs e uma pistola Colt. A IRNA garante que um suspeito já foi capturado.

O ataque ao mausoléu, que dista vários quilómetros do Parlamento, aconteceu ao mesmo tempo que o assalto ao edifício estatal, o que leva as autoridades a crer que os dois eventos parecem ter sido coordenados. O duplo atentado — "muito raro" na realidade iraniana, como aponta esta manhã o "Washington Post" — foi entretanto reivindicado pelo autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) no seu site de propaganda, o Amaq.

(Notícia em atualização)