Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Embaixador dos EUA em Pequim demite-se por causa de políticas ambientais de Trump

David Rank (ao centro) durante uma visita a um centro de investigação e proteção dos pandas em Dujiangyan, China

STRINGER /Reuters

CNN cita fontes próximas de David Rank a dizerem que o chefe interino da representação diplomática norte-americana na China decidiu demitir-se depois de a administração Trump ter abandonado o Acordo de Paris sobre as alterações climáticas

David Rank, vice-chefe da embaixada norte-americana em Pequim que atualmente ocupava o cargo de embaixador interino naquela missão diplomática, resignou ao cargo esta semana, no que fontes dizem ser uma reação à saída dos Estados Unidos do Acordo do Clima de Paris, anunciada por Donald Trump na semana passada.

O Departamento de Estado já confirmou que Rank se demitiu, com pessoas próximas do diplomata a garantirem à CNN que se trata de uma reação à decisão do Presidente norte-americano em não continuar a integrar os esforços globais de combate às alterações climáticas.

A posição de Trump, sob o argumento de que o Acordo do Clima danifica os interesses económicos dos Estados Unidos, foi recebida com duras críticas a nível mundial. Neste momento, apenas outros dois países não são signatários do acordo alcançado no final de 2015 para manter o aquecimento global abaixo dos 2ºC – a Síria, que está mergulhada numa guerra civil há mais de seis anos, e a Nicarágua, que alega que o acordo não vai longe o suficiente para combater os efeitos da atividade humana no clima.

De acordo com os media norte-americanos, Rank explicou aos subordinados da embaixada que não podia, em boa consciência, cumprir a ordem do Departamento de Estado para notificar formalmente as autoridades chinesas sobre a decisão de Trump relativa ao Acordo do Clima. O "New York Times" cita amigos próximos do diplomata a dizerem que este se sentia cada vez mais frustrado com as políticas da nova administração face à China, em particular no que toca às alterações climáticas. A par dos EUA, a China é o outro grande poluidor mundial e um dos principais signatários do acordo de Paris.

Em comunicado, o Departamento de Estado disse esta segunda-feira que Rank "tomou uma decisão pessoal", agradecendo-lhe os seus "anos de serviço dedicado" e anunciando que será substituído por Jonathan Fritz, conselheiro económico da embaixada, até ao final deste mês, altura em que Terry Branstad, o homem que Trump nomeou para chefiar a embaixada em Pequim, deverá assumir o cargo.