Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Embaixador dos EUA contraria Trump e elogia liderança do autarca de Londres

MATT DUNHAM/GETTY

Sem referir diretamente os comentários de Trump no Twitter, o embaixador dos EUA do Reino Unido rebate as considerações do Presidente norte-americano

O embaixador norte-americano no Reino Unido, Lewis Lukens, elogia o trabalho do presidente da Câmara de Londres, Sadiq Khan, depois de o Presidente norte-americano, Donald Trump, o ter atacado.

"Quero elogiar a liderança forte do autarca de Londres, enquanto leva a cidade para a frente após este desprezível ataque", disse Lukens.

O diplomata não se referiu diretamente aos comentários de Trump no Twitter, mas acrescentou um vídeo de Sadiq com declarações semelhantes às que o Presidente dos EUA retirou do contexto.

Ao início da madrugada desta segunda-feira em Washington, Trump escreveu naquela rede: "Devemos deixar de ser politicamente corretos e dedicar-nos a trabalhar na segurança da nossa gente. Se não formos inteligentes, isto só vai piorar".

Uma hora depois, acrescentou: "Pelo menos sete mortos e 48 feridos no ataque terrorista e o autarca de Londres diz que 'não há razão para alarme'".

Khan apelara para que o terrorismo não acabe por vencer, ao espalhar o medo entre os londrinos, a quatro dias das eleições legislativas.

"Os londrinos verão um aumento da presença policial nos próximos dias. Não há razão para alarme", disse o autarca na declaração que Trump retirou do contexto.

O embaixador norte-americano, que assumiu o posto devido à falta de um substituto apontado pelo Governo de Trump, demarcou-se do comentário do Presidente norte-americano, criticado tanto pelos conservadores como pelos trabalhistas no Reino Unido.

"A resposta dos serviços de emergência, polícia, londrinos e funcionários de Londres tem sido extraordinária", considerou o diplomata norte-americano.

Trump também foi criticado por políticos de ambos os partidos nos Estados Unidos por insistir no "veto migratório" após o atentado de Londres, no qual morreram dez pessoas, incluindo três atacantes, e que foi reivindicado esta noite pelo grupo radical Estado Islâmico.

O senador democrata Mark Wener afirmou, numa entrevista na televisão, que a proposta de Trump de um novo "veto migratório" para "alcançar um novo nível de segurança" é precisamente o tipo de definição discriminatória para com os muçulmanos que tribunais federais dos EUA rejeitaram em duas ocasiões.

Através de ordens executivas, Trump ordenou a suspensão das entradas de nacionais de vários países de maioria muçulmana, medida que foi travada pela justiça norte-americana, que considerou tratar-se de discriminação.

Já a senadora republicana Susan Collins defendeu que falar de "veto migratório" não é adequado e já foi recusado pelos tribunais, mas considerou que é necessário aumentar o escrutínio de pessoas procedentes de países com historial de terrorismo islamista.