Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Polícia encontra 36 corpos em casino das Filipinas que foi palco de ataque armado

NOEL CELIS

Autoridades dizem que nenhuma das vítimas tem ferimentos de bala e que morreram sufocadas na sequência de fogo posto. Também garantem que se tratou de uma tentativa de roubo e não de um atentado terrorista, como reivindicado pelo Daesh, e que o autor do ataque se suicidou

As autoridades das Filipinas já recuperaram pelo menos 36 corpos de um casino e hotel na capital, Manila, onde um "atirador solitário" abriu fogo contra os presentes na madrugada desta sexta-feira (final de quinta-feira em Portugal). A maioria das vítimas morreu sufocada na sequência de um incêndio que deflagrou quando o suspeito pegou fogo às mesas do casino, explicaram fontes da polícia à BBC.

O atirador, cuja identidade e nacionalidade ainda não são conhecidas, começou a disparar contra as pessoas que estavam no Resorts World de Manila às primeiras horas da madrugada.

A polícia diz que ele acabou por se autoimolar, morrendo no local do crime, e garante que se tratou de uma tentativa de roubo e não de um ataque terrorista — apesar de ter sido reivindicado pelo autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) e de, neste momento, o Exército filipino estar em guerra há uma semana com um grupo filiado ao Daesh na ilha de Mindanao, no sul do arquipélago, a cerca de 800 quilómetros de Manila.

O que aconteceu?

O homem entrou no casino pouco depois da meia-noite, hora local, e abriu fogo. Tomas Apolinario, superintendente distrital da polícia, diz que o suspeito começou por disparar para o ar e que isso gerou o pânico dos presentes. "Temos algumas pessoas feridas e temos alguns mortos também, mas ninguém tem ferimentos de balas", explicou à BBC.

O atirador pegaria depois fogo a mesas de jogo e encheria uma mochila com fichas no valor de 113 milhões de pesos filipinos (cerca de dois milhões de euros), antes de fugir para o hotel, abandonando a mochila e fechando-se num dos quartos. Aí, "deitou-se na cama, cobriu-se com um lençol, aparentemente derramou gasolina sobre o lençol e pegou fogo a si próprio", explicou Ronald Rela Rosa, chefe da polícia nacional.

Em comunicado, o Resorts World Manila disse que o homem morreu não na sequência da autoimolação mas de um tiro que disparou sobre si próprio a seguir a pegar fogo ao lençol que o cobria. O seu corpo foi encontrado pelas autoridades por volta das 7h da manhã locais desta sexta-feira (meia-noite em Lisboa).

Imagens de CCTV entretanto reveladas pela polícia mostram um homem vestido de negro a entrar no casino com uma espingarda. Alguns media locais e fontes da polícia estão a especular que poderia ser um estrangeiro e não um filipino, pelo facto de falar muito bem inglês.

Quando começaram a sair as primeiras informações sobre os tiros e explosões ouvidos no complexo hoteleiro, testemunhas disseram que o homem era caucasiano. Mas para já ainda não se conhece a sua identidade nem nacionalidade.

À BBC, o superintendente Apolinário escusou-se a confirmar a nacionalidade do suspeito. Aos jornalistas em Manila, a polícia disse que o homem parecia ter "problemas mentais". No seu comunicado, o Resorts World Manila classificou o tiroteio como um "ato cobarde de uma mente perturbada". A polícia garante que o homem agiu sozinho e que não tem ligações a qualquer grupo terrorista. Neste momento, pelo menos 50 pessoas estão no hospital a receber tratamentos, incluindo para fraturas, decorrentes do ataque.