Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“É preciso tornar o nosso planeta grande outra vez” e mais 31 reações ao anunciado abandono do acordo de Paris

Getty

Vários líderes mundiais, empresários e associações criticaram a decisão anunciada esta quinta-feira por Donald Trump dos EUA abandonarem o acordo de Paris

Barack Obama, ex-Presidente dos EUA

“Acredito que os EUA deveriam estar na frente do grupo. Mas mesmo da ausência de liderança norte-americana, mesmo com esta administração a juntar-se ao pequeno grupo de nações que rejeitam o futuro, estou confiante de que os nossos estados, cidades e negócios vão destacar-se ainda mais para traçar o caminho e ajudar a proteger o único planeta que temos para as próximas gerações.”

Emmanuel Macron, Presidente francês

“É preciso tornar o nosso planeta grande outra vez. Trump cometeu um erro para o futuro dos EUA e uma falta para o futuro do planeta. Não se enganem sobre o clima. Não há Plano B, porque não há planeta B. Não renegociaremos um acordo menos ambicioso.”

Boris Johnson, Ministro britânico dos Negócios Estrangeiros

“Vamos continuar a pressionar os norte-americanos e a Casa Branca para que mantenham a liderança demonstrada no passado na redução do dióxido de carbono. É necessário fazer mais progressos por parte de outros países, especialmente a Índia, a China e outros. Necessitamos de enfrentar isto de forma global.”

Donald Tusk, presidente do Conselho Europeu

“Estamos convencidos que a decisão de ontem dos Estados Unidos de abandonar o Acordo de Paris é um grande erro, ainda maior do que não terem ratificado o Protocolo de Quioto, porque o de Paris é mais justo. Mas a luta contra as alterações climáticas, e toda a investigação, inovação e progresso tecnológico que acarreta, vai continuar com ou sem os Estados Unidos. (...) Os laços transatlânticos fortes são mais importantes e mais duradouros do que as últimas decisões da nova Administração [norte-americana].”

Martin Shulz, ex-presidente do Parlamento Europeu

“A UE deve procura formas de equilibrar a vantagem económica que as empresas dos EUA possam vir a ter, dada a ausência de regulações ambientais. Esses que querem exportar os seus produtos e serviços para o nosso mercado também têm de aceitar os nossos padrões.”

Jean-Claude Juncker, presidente da Comissão Europeia

"Saída dos EUA do acordo é profundamente errada. Mas o mundo pode contar com a Europa. É dever da Europa enfrentar os EUA. Os norte-americanos não podem sair à vontade do acordo. Isso leva três a quatro anos.”

Paolo Gentiloni, primeiro-ministro italiano

“A Itália está empenhada em reduzir as emissões, no investimento nas energias renováveis, no desenvolvimento sustentável”.

François Hollande, ex-Presidente francês

“Donald Trump tomou uma decisão fatal para os Estados Unidos, mas não vai impedir o mundo de avançar na sua luta racional e voluntária contra o aquecimento global. Mas a saída americana não suspende o Acordo de Paris. Pelo contrário, deve acelerar a aplicação.”

Li Keqiang, primeiro-ministro chinês

“Combater o aquecimento global é uma responsabilidade internacional e merece um consenso global. Nos últimos anos, a China tem-se mantido fiel aos seus compromissos.”

Miguel Arias Cañete, Comissário Europeu para a Ação Climática

“O Acordo de Paris vai vigorar. O mundo pode continuar a contar com a Europa para liderar a luta contra as alterações climáticas. Vamos fazer isto porque é o nosso interesse comum. Estamos do lado certo da história.”

João Matos Fernandes, Ministro português do Ambiente

“Quero acreditar que, do ponto de vista da reversão efetiva da redução das emissões poluentes, a decisão dos EUA não venha a ser tão negativa quanto isso.”

Marcelo Rebelo de Sousa

“Bem pode haver quem se considera importantíssimo no mundo e que o negue, mas isso não altera a realidade. A realidade é o que é. É como achar que se pode tapar o sol com um dedo. O sol está lá e o dedo não o tapa. A Europa tem aqui uma causa justa, que é real e deve continuar a ser a campeã desta causa.”

Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia

“A Índia mantém-se comprometida com o combate ao aquecimento. Será um crime estragar o ambiente para as gerações futuras.”

Antonio Tajani, presidente do Parlamento Europeu

“É uma questão de confiança. O Acordo de Paris está vivo e vamos aplicá-lo, com ou sem a administração americana.”

Theresa May, primeira-ministra britânica

“O acordo de Paris fornece o quadro global apropriado para proteger a prosperidade e a segurança das gerações futuras, ao mesmo tempo que assegura a disponibilidade da energia para os nossos cidadãos e as nossas empresas.”

Elon Musk, diretor da Tesla

“A decisão de Trump não é boa para a América e para o mundo.”

Fumio Kishida, ministro dos Negócios Estrangeiros do Japão

“O Japão estava confiante de que iria trabalhar com os EUA no âmbito do Acordo de Paris, pelo que o anúncio da administração norte-americana é lamentável. As alterações climáticas requerem esforços concertados da comunidade internacional.”

Moon Jae-in, Presidente da Coreia do Sul

“Lamentamos que a solidariedade global e os esforços para responder às alterações climáticas sejam minados pela decisão dos Estados Unidos de sair do Acordo de Paris.”

Édouard Philippe, primeiro-ministro francês

“É uma decisão calamitosa. O presidente dos Estados Unidos decidiu retirar-se em consciência do Acordo de Paris. Está a dizer que vai resolver sozinho os problemas do mundo”.

Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês

“Nós pensamos que o Acordo de Paris é o maior compromisso da comunidade internacional sobre a questão das alterações climáticas. As partes envolvidas devem proteger os resultados que foram conseguidos com esforço.Nós mantemos as nossas obrigações”.

Angela Merkel, chanceler alemã

“Agora mais do que nunca iremos trabalhar para políticas ao nível das alterações climáticas que salvem o nosso planeta”

Justin Trudeau, primeiro-ministro do Canadá

“Estamos profundamente desapontados com o facto do governo dos EUA estar decidido a retirar-se do Acordo de Paris. O Canadá mantém o seu compromisso inabalável na luta contra as alterações climáticas e no apoio ao crescimento económico.”

Malcolm Turnbull, primeiro-ministro australiano

“É um anúncio que nos desaponta, mas que não nos surpreende de todo. A Austrália continua comprometida com o Acordo de Paris e o corte de emissões.”

Enele Sopoaga, primeiro-ministro do Tuvalu

“Creio que é uma decisão muito destrutiva, obstrutiva, por parte do líder do talvez maior poluidor na Terra. Como pequena nação insular a sofrer com os efeitos das alterações climáticas estamos dececionados.Talvez isto seja também um alerta ao mundo para trabalharem de forma mais próxima, melhor e fazerem mais.”

Frank Bainimarama, primeiro-ministro das Fiji

“É uma decisão dececionante, sobretudo para os países mais vulneráveis ao aquecimento global. Esperamos que os Estados Unidos voltem a integrar o acordo no futuro”

Anne Hidalgo, mayor de Paris

“Se quer evitar efeitos mais desvastadores do ponto de vista das alterações climáticas, os próximos quatro anos são cruciais. Mais do que nunca precisamos da liderança dos EUA face a este grande desafio.”

Hilda Heine, presidente das Ilhas Marshall

“Não devemos perder a esperança. Os nossos filhos e os seus filhos merecem não só sobreviver como prosperar.”

Partido Ecologista Os Verdes

“Trump declarou, formalmente, guerra à sustentabilidade do planeta, pondo em causa o único documento existente ao nível mundial para se poder enfrentar globalmente as alterações climáticas.”

Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin

“É claro que a eficácia da implementação deste acordo sem os principais participantes, talvez, seja dificultada. Mas não há nenhuma alternativa a partir de agora”

Ministério dos Negócios Estrangeiros do Brasil

“O Brasil está seriamente preocupado com i impacto negayivo de tal decisão no ponto de vista do diálogo multilateral e da cooperação para responder às mudanças globais”

Margot Wallström, ministra sueca dos Negócios Estrangeiros

“O comboio da sustentabilidade deixou a estação. A decisão dos EUA de deixar o Acordo de Paris é abandonar a última oportunidade da humanidade de garantir o futuro das nossas crianças neste planeta.”

Sadiq Khan, mayor de Londres

“Agora mais do que nunca os líderes mundiais t~em de reconhecer a ameaça das alterações climáticas e juntar forças para proteger a saúde pública, reduzir a taxa de poluição e ajudar a tornar o planeta mais verde. Não podemos negligenciar o facto das alterações climáticas continuarem a ser um dos maiores riscos ambientais para a humanidade .”

Mariano Rajoy, primeiro-ministro espanhol

“Espanha mantém o seu compromisso com o Acordo de Paris. A União Europeia continuará a liderar a luta contra as alterações climáticas na direção correta”