Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bruxelas diz que EUA viraram as costas à luta contra as alterações climáticas

EMMANUEL DUNAND/GETTY

A UE lamenta a decisão dos Estados Unidos de abandonar o Acordo de Paris

O Comissário para a Ação Climática fala "num dia triste para a comunidade global". Diz Miguel Arias Cañete que "um parceiro chave virou as costas à luta contra as alterações climáticas".

"A União Europeia lamenta profundamente a decisão unilateral da Administração Trump de retirar os Estados Unidos do Acordo de Paris", diz ainda o comunicado da Comissão Europeia.

Bruxelas recorda que o Acordo é ambicioso mas que deixa margem para que cada um dos 195 países que o assinaram escolham a melhor forma de contribuir "para prevenir perigosas alterações climáticas".

"O Acordo de Paris vai vigorar. O mundo pode continuar a contar com a Europa para liderar a luta contra as alterações climáticas", diz ainda Arias Cañete

Numa altura em que Trump rasga o acordo assinado pelo anterior Presidente Barack Obama, a União Europeia deixa a promessa de que "vai implementar (o acordo de) Paris" juntamente com o "os muitos cidadãos e empresas norte-americanas e as comunidades que expressaram apoio a Paris e que estão a avançar com ações ambiciosas".

"Vamos fazer isto porque é o nosso interesse comum", adianta o Comissário, sublinhando que o anúncio feito por Trump apenas aumentou a determinação deste lado do Atlântico em vez de "enfraquecer" os europeus e os restantes signatários.

"Estamos do lado certo da história", termina o comunicado.

Ontem, o Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker tinha afirmado que Donald Trump deveria respeitar o Acordo de Paris, enquanto o Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk tinha apelado a Trump para que "não piorasse o clima (político), numa mensagem deixada na rede Social Twitter.