Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bebés entre 44 migrantes encontrados mortos em deserto no Níger

Migrantes tentavam chegar à Líbia e terão morrido de sede, após avaria do veículo onde seguiam. Cruz Vermelha tem uma equipa no local

Pelo menos 44 migrantes, incluindo bebés, foram encontrados mortos no deserto na região de Agadez, no norte do Níger, quando tentavam chegar à vizinha Líbia, disseram esta quinta-feira à agência France-Presse fontes locais e humanitárias.

"O número de migrantes mortos no deserto é até ao momento de 44", declarou à AFP o presidente da câmara de Agadez, Rhissa Feltou.

O mesmo número de vítimas mortais foi indicado pela Cruz Vermelha, que tem uma equipa no terreno para "recolher informações precisas".

Segundo uma fonte da segurança interrogada pela AFP, "estes migrantes subsaarianos, entre os quais bebés e crianças, morreram de sede, pois o seu veículo avariou".

Agadez é uma placa giratória do tráfico de seres humanos que querem alcançar a Europa e, para lutar contra os traficantes, Niamey aprovou em 2015 uma lei tornando os seus crimes passíveis de uma pena máxima de 30 anos de prisão.

O tráfico diminuiu, mas no início de maio oito migrantes do Níger, entre os quais cinco crianças, foram encontrados mortos no deserto do país quando tentavam alcançar a vizinha Argélia.

Em meados de maio, 40 migrantes da África ocidental (da Gâmbia, Nigéria, Guiné-Conacri, Senegal e Níger) foram socorridos pelo exército no deserto do norte do Níger, depois de terem sido abandonados pelos traficantes no caminho para a Líbia, de onde tentariam chegar à Europa.

A Itália e a Alemanha pediram recentemente a abertura de uma missão da União Europeia na fronteira entre o Níger e a Líbia para lutar contra a imigração clandestina para a Europa, segundo uma carta dirigida à Comissão Europeia.

Entre janeiro e meados de abril, chegaram a Itália 42.500 pessoas que atravessaram o Mediterrâneo e "97% embarcaram na Líbia", indica a carta da qual a AFP obteve uma cópia.

[Texto acrescentado às 13h22]