Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ao minuto: o dia depois da “noite terrível” em que 22 pessoas morreram em Manchester

Jeff J Mitchell/ Getty Images

O autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) assumiu esta manhã a autoria do atentado no Manchester Arena. Salman Abedi é apontado como o autor. O Expresso apurou que esteve ligado à Frente alNusra (Al-Qaeda). E mais recentemente a grupos jiadistas da Líbia. Theresa May fala num “ataque cobarde” que visou sobretudo os mais jovens. “Os terroristas nunca irão ganhar. Os nossos valores irão prevalecer”, assegura a governante

23h30 Encerramos este direto. Obrigado por ter estado desse lado a acompanhar.

23h23 Uma vez mais o Reino Unido voltou a ser atacado. Dez anos depois, o estado de alerta no país foi elevado para crítico (significa “atentado terrorista iminente”). Vinte quatro horas depois de um homem se ter feito explodir junto à Manchester Arena ainda há muito que falta saber. Pelo menos 22 pessoas morreram e 59 ficaram feridas, incluindo crianças. Pode ler AQUI o que já se sabe sobre o “cobarde ataque” a Manchester.

22h30 Salman Abedi, o britânico de origem líbia que supostamente terá levado a cabo o atentado de Manchester, foi descrito como um jovem “muito discreto”

21h54 A primeira-ministra britânica anunciou que o estado de alerta na Grã-Bretanha, relativamente ao perigo de atentados terroristas, foi elevado para crítico, o que implica a aplicação de medidas de segurança para evitar um atentado iminente. O anúncio foi efetuado após Theresa May ter estado reunida esta terça-feira com o comité governamental de resposta à situação de emergência. Desde 2014 que a Grã-Bretanha sob alerta severo, o que significava que as autoridades encaravam a ocorrência de atentados como muito provável

20h32 Salman Abedi, o suposto autor do atentado suicida, deverá ter frequentado o Centro Islâmico de Manchester, referiram as autoridades britânicas

20h05 Uma vigília em Birmingham pelas vítimas do atentado de Manchester Arena foi interrompida após um homem, aparentemente armado com uma faca e um taco de baseball, foi detido nas imediações, segundo indicou a Press Association

19h43 Os transportes de Manchester continuam afetados. Há atrasos e só agora algumas estradas estão a ser reabertas.

19h40 As autoridades têm em sua posse um vídeo das câmaras de vigilância em que se vê um homem a aproximar-se do Manchester Arena e a causar voluntariamente a explosão, referiu uma fonte ao jornal britânico “The Guardian”. Trata-se de um engenho de fabrico artesanal, que se acredita ter sido construído em território britânico.

19h35 O antigo jogador do Manchester United gravou uma mensagem de solidariedade.

19h23 Em Manchester, centenas de pessoas reuniram-se numa vigília de homenagem à vítimas.

ANDY RAIN/EPA

ANDY RAIN/EPA

DARREN STAPLES/ Reuters

18h54 O Manchester Arena adiou o concerto dos Take That, marcado para a próxima sexta-feira, devido às investigações da polícia no local.

18h28 Assim que ouviu a explosão, Jordan trepou por cima das cadeiras e correu para salvar a vida. Fora do recinto, Leonardo viu “duas raparigas cobertas de sangue” e sentiu alívio por não ter levado a irmã de seis anos ao concerto de Ariana Grande, em Manchester. São os testemunhos, na primeira pessoa, de quem viveu o ataque de Manchester. “Se voltasse a ir a um concerto, estaria sempre a pensar no pior”. Saiba mais AQUI.

17h57 No dia seguinte ao ataque, multiplicam-se as homenagens e a polícia anda fortemente armada pelas ruas da cidade britânica.

1 / 20

BEN STANSALL/ Getty Images

2 / 20

BEN STANSALL/ Getty Images

3 / 20

BEN STANSALL/ Getty Images

4 / 20

DANIEL LEAL-OLIVAS/ Getty Images

5 / 20

DARREN STAPLES/ Reuters

6 / 20

OLI SCARFF

7 / 20

BEN STANSALL/ Getty Images

8 / 20

Jeff J Mitchell/ Getty Images

9 / 20

JON SUPER/Reuters

10 / 20

OLI SCARFF/ Getty Images

11 / 20

BEN STANSALL/ Getty Images

12 / 20

Jeff J Mitchell/ Getty Images

13 / 20

Jeff J Mitchell/ Getty Images

14 / 20

Christopher Furlong/ Getty Images

15 / 20

ANDY RAIN/EPA

16 / 20

ANDY RAIN/EPA

17 / 20

BEN STANSALL/ Getty Images

18 / 20

Jeff J Mitchell/ Getty Images

19 / 20

BEN STANSALL/ Getty Images

20 / 20

Jeff J Mitchell/ Getty Images

17h39 A confirmar-se a informação do “Telegraph”, de que a família se Salman Abedi vivia no bairro de Fallowfield, significa que o atacante de 22 anos residia próximo de um outro bairro, Moss Side, já identificado pela polícia como sendo a morada de mais de uma dezena de jiadistas, alguns deles mortos e desaparecidos na Síria.

O Reino Unido é o segundo país do Ocidente com mais combatentes na Síria. Desde 2014, mais de 800 juntaram-se ao Daesh. Muitos partiram de Manchester.

17h37 Na íntegra o mais recente comunicado da polícia de Manchester

17h31 “Mais do que nunca é vital que a nossa diversa comunidade se mantenha unida. Não iremos tolerar qualquer tipo de ódio para qualquer grupo da nossa comunidade”, sublinhou Ian Hopkins, chefe da polícia de Manchester na conferência de imprensa.

17h26 A polícia de Manchester confirmou, em conferência de imprensa, a identidade do bombista. Foi Salman Abedi´e tinha 22 anos.

17h01 Segundo o “Telegraph”, Salman Abedi nasceu em Manchester em 1994, é o segundo mais novo de quatro irmãos. Os pais são cidadãos líbios que fugiram do regime do ditador Muamar Kadafi. A família viveu durante dez anos na zona sul de Manchester.

16h53 O Expresso confirmou junto de várias fontes que Salman Abedi é de facto o homem responsável pelo explosão de ontem à noite no Manchester Arena.

16h47 O Expresso apurou que Salman Abedi esteve em tempos ligado à Frente alNusra (grupo ligado à Al-Qaeda). E mais recentemente a grupos jiadistas da Líbia.

16h35 Os EUA, citando fontes das autoridades britânicas, asseguram que o autor do bombista já foi identificado como Salman Abedi.

16h22 A Polícia Metropolitana de Londres diz que haverá um reforço dos agentes nas ruas, para conter a ameaça terrorista.

16h14 Vários feridos têm pregos no corpo, o que confirma que o engenho que explodiu no exterior do Manchester Arena é de fabrico artesanal.

16h05 As autoridades recomendam aos cidadãos para circularem nas estradas de Manchester ao final da tarde só em caso de necessidade. Vai decorrer uma vigília no centro da cidade.

15h58 Um casal polaco, que assistiu esta noite ao concerto da Ariana Grande, está entre as pessoas desaparecidas desde ontem em Manchester. A informação foi avançada pela embaixada do país em Londres.

15h46 O secretário-geral da ONU defendeu a importância da comunidade internacional lutar contra o terrorismo. “O meu coração está com as pessoas de Manchester e todas as vítimas de terrorismo. Temos que estar juntos contra a violência e levar os atacantes à justiça”, escreveu António Guterres no Twitter.

15h41 Theresa May acaba de chegar ao Hospital Pediátrico de Manchester para visitar as crianças feridas no concerto.

15h29 A Associação Inglesa de Futebol garante que a segurança será reforçada no próximo domingo para o jogo entre o Chelsea e o Arsenal, no estádio de Wembley, em Londres.

15h10 O princípe Carlos também condenou o atentado ocorrido esta segunda-feira em Manchester, após o concerto de Ariana Grande. “As palavras não são suficientes para expressar o que muitas famílias devem estar a sentir neste momento de incrível dificuldade e os nossos mais sinceros sentimentos estão com todos aqueles que tragicamente perderam pessoas amadas ou que foram afetados de alguma forma”, disse Carlos em comunicado.

15h08 Foi cumprido esta manhã um minuto de silêncio no Parlamento escocês para homenagear as vítimas do ataque no Manchester Arena.

15h05 Dezenas de pessoas começaram a depositar flores, postais e velas junto à igreja de Santa Anna, em Manchester, em homenagem às vítimas do atentado.

14h59 A estação de metro de Vitória vai continuar esta terça-feira fechada, na sequência do atentado no Manchester Arena.

14h45 José Mourinho, em véspera da disputa da final da Liga Europa, quarta-feira em Estocolmo, tornou pública uma declaração sobre o ataque no Manchester Arena.

“Estamos todos muito tristes com os trágicos acontecimentos de ontem à noite, sem conseguir tirar do nosso pensamento e dos nossos corações as vítimas e as suas famílias”, afirma o treinador do Manchester United, falando em nome da equipa.

“Temos um trabalho a fazer e vamos para a Suécia para o cumprir. É uma pena que não possamos seguir com a felicidade normal antes de um grande jogo. Mas sei, mesmo estando aqui há pouco tempo, que as pessoas de Manchester se vão unir”.

Entretanto, uma festa da equipa, planeada em Manchester para quarta-feira, foi cancelada, em sinal de respeito.

14h38 Os responsáveis pelo Manchester Arena, através do Twitter, expressaram a sua solidariedade com todos os que foram afetados pela tragédia, garantindo estar a ajudar a polícia “de todas as formas possíveis”, louvando o trabalho das equipas de emergência que, desde a noite do ataque, têm sido incansáveis. “Mostra o melhor desta cidade”, pode ler-se

14h30 A primeira-ministra, Theresa May já chegou à sede da Polícia de Manchester.

14h09 O papa Francisco expressou a sua tristeza profunda pelo "ataque bárbaro" cometido em Manchester e manifestou solidariedade para com as vítimas deste "ato de violência sem sentido".

"O papa Francisco ficou profundamente triste ao saber das feridas e da trágica perda de vidas provocadas pelo ataque bárbaro em Manchester", referiu um telegrama assinado pelo secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, em nome do pontífice, citado pela agência noticiosa espanhola EFE.

Jorge Bergoglio, que adotou o nome de Francisco, expressou a sua solidariedade para "com todos os afetados por este ato de violência sem sentido".

Na mesma nota, o papa elogiou "os generosos esforços dos elementos dos serviços de emergência e de segurança" e ofereceu as suas orações aos feridos e às vítimas mortais do atentado ocorrido na segunda-feira à noite no final de um concerto de música pop.

14h08 Polícia de Manchester confirma buscas nos arredores da cidade e a realização de uma “explosão controlada”, numa das diligências efetuadas no âmbito da investigação ao atentado.

13h59 O ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, condenou o atentado em Manchester, que classificou como "inacreditavelmente bárbaro", e reiterou que é preciso vencer a luta contra o terrorismo.

"Trata-se de um atentado terrorista, que já foi reivindicado pelo Daesh. É um atentado bárbaro, inacreditavelmente bárbaro, porque o público-alvo são crianças e adolescentes, em festa, num espetáculo musical", referiu Santos Silva, que falava à Lusa antes de intervir num almoço de empresários organizado pela Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola.

O ministro comentou que "o terrorismo não conhece limites", com "atos que são particularmente cobardes, que não respeitam absolutamente nenhuma regra".

Os terroristas "escolhem as circunstâncias em que podem causar mais danos, escolhem as vítimas mais inocentes, têm uma particular pulsão em querer atacar aquilo que é essencialmente o nosso modo de vida", considerou.

Mas, acrescentou: "Como disse a primeira-ministra britânica [Theresa May] ainda hoje, o que é certo é que não nos conseguirão vencer, não conseguirão vencer o nosso modo de vida, não conseguirão vencer os nossos valores".

"Temos de estar preparados, temos de reagir", sustentou o ministro, apontando a cooperação entre as polícias, autoridades e serviços de informação.

"Mas é preciso que cooperem mais, porque esta batalha, esta luta contra o terrorismo, nós temos que ganhá-la", defendeu.

13h44 O Presidente turco “condenou fortemente” o atentado em Manchester e “prometeu lutar ao lado do Reino Unido contra o terrorismo.”

13h34 As autoridades já começaram a identificar as vítimas mortais: duas raparigas de 8 e 18 anos e um rapaz de 26 anos. Entre os feridos, existem 12 crianças com menos de 16 anos.

13h22 Uma jornalista do “Guardian” avança que a polícia britânica está a efetuar buscas em apartamentos em Chorlton, um subúrbio de Manchester.

12h55 O autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) reivindicou esta manhã o ataque no Manchester Arena, que causou 22 mortos e 59 feridos. Grupo terrorista diz que o bombista suicida é um dos seus “soldados do califado” numa mensagem divulgada pela sua agência de propaganda Amaq e através da rede social Telegram.

12h26 A rainha Isabel II enviou as condolências às famílias das vítimas do atentado e elogiou o a atuação dos serviços de emergência: “A nação inteira está chocada com as mortes e ferimentos em Manchester na última noite, onde tantas pessoas, adultos e crianças, estavam apenas a apreciar um concerto”, refere a monarca em comunicado.

“Gostaria de expressar a minha admiração pela forma como as pessoas de Manchester têm respondido, com humanidade e compaixão, a este ato de barbaridade”, conclui.

12h01 A polícia britânica anunciou que um indivíduo, de 23 anos, foi detido hoje em Manchester por suspeitas de envolvimento no ataque

11h47 O centro comercial Arndale, em Manchester, está a ser evacuado. Pelo menos um homem foi detido, segundo a AP.

11h39 Nani, tal como Cristiano Ronaldo, antigos jogadores do Manchester, já condenaram o atentado ocorrido esta segunda-feira na cidade britânica.

Instagram

11h14 A primeira-ministra britânica condenou esta manhã o “ataque cobarde” ocorrido esta noite na Manchester Arena. “Foi um ataque friamente calculado dirigido a algumas das pessoas mais jovens da nossa sociedade”, declarou Theresa May, garantindo que os “valores” dos britânicos irão prevalecer face ao receio do terrorismo.

“Há mensagens de solidariedade e esperança daqueles que abriram as portas das suas casas às vítimas. Isto são aspetos que representam o espírito de Manchester. Isso nunca será quebrado. ”, sublinhou May, elogiando ainda a atuação dos serviços de emergência.

A chefe do executivo britânico disse que já foi identificado o suspeito do atentado em manchester. Tudo leva a crer que se tratou de um ataque perpetrado por uma única pessoa, mas que as autoridades estão ainda a confirmar essa informação. “Os terroristas nunca irão ganhar. os nosos valores irão prevalecer”, insistiu.

May apelou às testemunhas para divulgarem todas as informações relacionadas com o ataque. Adiantou ainda que o nível de ameaça terrorista vai continuar “severo”, o que significa que a ocorrência de um atentado é “altamente provável”.

“Cada um de nós está com povo de Manchester neste tempos horríveis”, concluiu.

11h05 O mayor de Manchester, Andy Burnham, anunciou que se irá realizar esta tarde uma vigília em homenagem às vítimas do atentado.

10h22 A chefe da diplomacia europeia, Frederica Mogherini, declarou que o “medo não vai prevalecer” e que os jovens europeus seguirão as suas rotinas com “alegria” e “liberdade”.

10h16 O governo do Irão apela a uma luta séria contra o terrorismo, de forma a evitar a “propagação cancerosa desta chaga em todo o mundo”. “O terrorismo apenas será erradicado com uma resolução firme e com a criação de um mecanismo sem dualidade de critérios”, defendeu o executivo iraniano em comunicado.

09h50 “Os atos vis perpetrados esta noite em Manchester recordam-nos o quão depravadas podem chegar a ser as posições de uns poucos. Estas crenças não têm lugar na nossa sociedade”, afirmou em comunicado o primeiro-ministro irlandês, Enda Kenny.

09h37 O primeiro-ministro grego também condenou o “atroz ataque” em Manchester, sublinhando que se trata de um atentado “contra todos nós.”

09h33 O Presidente chinês afirmou que neste momento difícil “o povo chinês apoia firmemente o britânico”, lamentando as vítimas do ataque no Reino Unido.

09h26 “Estamos em absoluta solidariedade com o povo do Reino Unido”, declarou Donald Trump numa conferência de imprensa conjunta com o líder da Autoridade Palestiniana, Mahmoud Abbas, em Belém.

“Não vou chamar-lhes monstros porque eles gostariam desse termo. Iam achar que era um ótimo nome. Vou chamar-lhes falhados daqui para a frente, é o que eles são. E vamos ter mais. Mas são falhados, lembrem-se disso”, acrescentou.

09h19 A polícia britânica apela às testemunhas para divulgarem todos os vídeos e fotos da última noite no Manchester Arena de forma a ajudar à investigação.

09h15 Numa mensagem divulgada no Twitter, David Cameron manifesta as condolências aos familiares das vítimas do ataque em Manchester.

09h10 António Costa também já condenou o atentado em Manchester: “Deixo aqui um voto de pesar e a nossa solidariedade com o povo britânico, em particular com as vítimas e familiares do ataque em #Manchester”, escreveu o primeiro-ministro português no Twitter.

09h05 Chefes do governo e da oposição em Israel condenam ataque

"Envio as minhas condolências às famílias das várias pessoas que foram assassinadas e desejo uma rápida recuperação aos feridos", disse o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, em comunicado. "O terrorismo é uma ameaça global e é tarefa dos países iluminados derrotá-lo em todo o lado."

Também o líder da oposição hebraica, Isaac Herzog, enviou as suas condolências às famílias das vítimas via Twitter. "Um ataque horrível em Manchester. Os meus pensamentos e condolências para o povo britânico, que eu sei que nunca será derrotado pelo terrorismo."

09h01 Angela Merkel diz-se "triste e em choque"

"As pessoas do Reino Unido podem estar certas de que a Alemanha está ao seu lado."

09h00 Vladimir Putin envia telegrama a Theresa May

"Condenamos fortemente este crime cínico e desumano", disse o Presidente da Rússia num excerto do telegrama enviado à chefe do governo britânico, que o Kremlin publicou no seu site. "Estamos seguros de que os perpetradores não vão escapar ao castigo que merecem." No mesmo documento, Putin diz que está disponível para criar um centro de cooperação com o Reino Unido para o combate ao terrorismo, envia condolências aos familiares e amigos dos que perderam e vida e deseja rápida recuperação às dezenas de pessoas que ficaram feridas no ataque

08h55 Governo e oposição de Espanha enviam condolências

No Twitter, Mariano Rajoy condenou a atrocidade em Manchester. "As minhas condolências para as famílias dos mortos e os meus melhores desejos para que os feridos possam recuperar rapidamente", escreveu o chefe do governo espanhol.

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Alfonso Dastis, diz que ficou abalado com o ataque e ofereceu "solidariedade para com as vítimas e todo o povo britânico" bem como o "apoio total do governo" espanhol.

Pedro Sánchez, recém-conduzido como líder do Partido Socialista espanhol, pede "unidade para travar tal fanatismo".

Em comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros de Espanha disse que o país está "horrorizado" com o ataque de ontem à noite.

"O governo [espanhol] condena de forma vigorosa e inequívoca estes atos vis e espera que os responsáveis sejam presentes à Justiça pelos seus crimes o mais rápido possível. O governo, em nome do povo espanhol, envia as mais profundas condolências às famílias das vítimas e reitera o seu apoio e solidariedade para com o povo e as autoridades britânicas." No documento, o Ministério acrescenta que, para já, nada aponta que haja cidadãos espanhóis entre os feridos e mortos. Os seus consulados em Londres e Edimburgo estão em contacto constante com as autoridades britânicas.

08h48 Tom da campanha eleitoral "vai mudar"

O correspondente de política nacional da BBC, John Pienaar, diz que assim que os partidos retomarem a campanha para as legislativas antecipadas de 8 de junho, o tom e o cenário eleitoral vão mudar. "Tem sido uma campanha muito robusta até agora, como seria de esperar à medida que a data da ida às urnas se vai aproximando. Agora, penso que isto vai mudar o tom de tudo o que vai ser dito e feito", explicou à rádio 5 da BBC. "A batalha vai continuar e deve continuar, mas todo o processo acabou de ganhar toda uma nova luz."

08h45 Verdes juntam-se aos restantes partidos e anunciam suspensão de atividades de campanha. "Os nossos pensamentos estão com todos os que foram afetados por este incidente aterrador em Manchester", disse esta manhã o vice-secretário-geral do partido, Jonathan Bartley. "Ter os jovens a serem atacados desta forma é absolutamente atroz. Como sempre, os nossos serviços de emergência deixaram-nos orgulhosos — prestamos tributo à polícia, aos bombeiros e aos paramédicos que estiveram à altura do acontecimento. O nosso país nunca será dividido pelo terrorismo."

08h41 Autarca de Londres reforça medidas de segurança na capital

Sadiq Khan, o autarca de Londres, confirmou que os procedimentos de segurança estão a ser revistos e que os mecanismos estão a ser reforçados na capital. "Estou em contacto constante com a polícia metropolitana, que está a rever os procedimentos de segurança em Londres. Os londrinos vão ver mais polícia nas nossas ruas."

08h37 Brendan Cox, marido da deputada trabalhista Jo Cox que foi assassinada em Birstall, West Yorkshire, a 16 de junho, dias antes do referendo ao Brexit, no Twitter: "A dor que estes ataques infligem é profunda e real e permanece depois de as manchetes mudarem."

08h33 Polícia metropolitana londrina diz que "pacote suspeito" avistado na estação de metro Victoria Coach na capital era "falso alarme"

08h30 "Temos de estar alerta mas não podemos ceder ao medo"

Ao lado do autarca de Manchester, o atual líder do conselho municipal daquela cidade, Richard Leese, também pediu às pessoas que não cedam ao medo. "As famílias e amigos das vítimas estão nos nossos pensamentos. Enquanto cidade vamos estar algum tempo de luto. Temos de garantir que o terrorismo nunca ganhará portanto [queremos] tudo normal o máximo possível, as comunidades unidas — não vamos permitir que isto nos divida. Como os cidadãos de Manchester demonstraram ontem à noite, esta cidade vai unir-se. Um dia negro mas algo que Manchester, de uma forma única, vai assegurar que é transformado em força. Temos de estar alerta mas também é preciso que não tenhamos medo."

08h23 O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, condena "ataque brutal" para "espalhar o medo onde devia haver alegria":

"Foi com profundo pesar e choque que soube do ataque brutal que atingiu Manchester. Parte-me o coração saber que, mais uma vez, o terrorismo procura espalhar o medo onde devia haver alegria, cultivar a divisão onde os jovens e as famílias deviam estar unidos em celebração. Quero enviar as minhas profundas condolências à primeira-ministra May e ao povo britânico. Hoje estamos de luto convosco. Amanhã trabalharemos lado a lado para lutar contra aqueles que querem destruir a nossa forma de vida. Eles submestiam a nossa e a vossa resiliência — estes ataques cobardas só vão reforçar o nosso empenho em trabalhar em conjunto para derrotar os responsáveis por tais atos vis."

08h20 O primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, o chefe do governo da Índia, Narendra Modi, e o primeiro-ministro da Austrália, Malcolm Turnbull, também já reagiram ao sucedido no Twitter:

08h14 Em comunicado, o Presidente de França, Emmanuel Macron, envia condolências ao povo britânico e promete que as autoridades do seu país vão colaborar estreitamente com o Reino Unido no combate ao terrorismo. No documento, também diz que pretende falar com Theresa May ainda hoje.

08h12 O que já se sabe e o que continua por apurar:

  • A polícia confirma que pelo menos 22 pessoas morreram, incluindo "algumas crianças" e que 59 ficaram feridas na sequência da explosão na Arena de Manchester no final do concerto de Ariana Grande.
  • A polícia metropolitana de Manchester diz que o perpetrador era um homem que agiu sozinho e que morreu no local após detonar um engenho explosivo improvisado
  • Os investigadores estão a tentar apurar se o bombista integra uma rede extremista mais alargada
  • A explosão aconteceu fora do recinto, à entrada da arena, pouco depois das 22h30, minutos depois de o concerto ter acabado
  • Ainda não se conhecem as identidades das vítimas. Ainda não foram feitas detenções. Os feridos estão a receber tratamento em oito hospitais da região da Grande Manchester
  • A primeira-ministra, Theresa May, vai estar reunida com a comissão de emergência do governo (Cobra) a partir das 9h da manhã locais. O autarca de Manchester, Andy Burnham, vai participar na reunião por videoconferência: "Estarei na sede da polícia da Grande Manchester depois desta conferência para participar no encontro da Cobra a par do chefe da polícia. Depois disso faremos um ponto da situação atualizado. Vamos trabalhar com o governo para dar às pessoas as garantias de que precisam e para assegurar que, da forma mais rápida possível, a cidade vai poder voltar à normalidade."

08h05 "Improvável" que os Take That e que Ariana Grande mantenham concertos agendados

O correspondente de entretenimento da BBC, Colin Paterson, diz que ficaria surpreendido se os Take That desse início à sua tour de três noites na Arena de Manchester amanhã, quarta-feira. Paterson também diz que é muito improvável que Ariana Grande mantenha o espetáculo marcado para a mesma noite na Arena O2 em Londres.

08h01 Lee Dodderidge, ex-agente do Gabinete Nacional de Segurança e Contra-Terrorismo, descreve o ataque em Manchester como "sofisticado". À Rádio 5 da BBC, explicou porquê em direto esta manhã. "Os alarmes começaram a soar de imediato para mim, porque isto parece ter demorado uma considerável quantidade de tempo a planear. Algumas pessoas poderão olhar para isto e dizer que se tratou de um lobo solitário, mas tudo indica que houve muito planeamento antes desta ataque."

07h58 Leanne Wood, líder do partido de Gales Plaid Cymru, também anunciou a suspensão da campanha eleitoral: "Os nossos pensamentos e simpatia no Plaid Cymru estão com todas as pessoas que foram afetadas pelos eventos horrendos da última noite em Manchester. Vamos suspender a nossa campanha hoje como sinal de respeito para com todas as famílias."

07h55 O arcebispo da Cantuária, líder espiritual da Igreja Anglicana, recorreu ao Twitter para enviar as suas condolências

07h52 À rádio BBC 4, Charlotte Campbell disse esta manhã que a filha de 15 anos, Olivia, continua desaparecida desde o incidente no concerto. "Ela estava no concerto, tinha acabado de assistir ao concerto de abertura e estava a divertir-se muito, agradeceu-me por tê-la deixado ir. Ela estava com um amigo, o Adam, que foi encontrado num hospital há cerca de uma hora, mas a Olivia ainda não foi encontrada. Estou em casa a ligar para todo o lado: hospitais, polícia, centros em que as crianças foram colocadas. O pai dela na verdade está mesmo em Manchester à procura dela. Tenho amigos à procura dela. Tenho pessoas que nem conheço à procura dela, pessoas a mandar-me mensagens, a dizerem-me que têm a foto dela, que estão à procura dela, que vão contactar-me se a virem. E eu ainda não ouvi nada. O telemóvel do pai dela ficou sem bateria."

"As redes sociais estão a ser maravilhosas", acrescentou Charlotte à BBC. "Não sei o que teria feito sem elas. Há milhares de pessoas que agora sabem que a Olivia está desaparecida, pessoas à procura dela e só lhes posso agradecer por dedicarem o seu tempo a isto. Basicamente estão a dizer-me para ficar em casa à espera de um telefonema. Nem sequer me atrevo a sair de caso para o caso de ela conseguir regressar de alguma forma."

Dave Thompson

07h42 O recém-eleito autarca de Manchester, Andy Burnham, descreve o ataque como "um ato vil".

"Vamos fazer todos os possíveis para apoiar [as vítimas e as suas famílias e amigos]", declarou aos jornalistas esta manhã. "Estamos de luto hoje mas somos fortes. Quero agradecer às centenas de agentes da polícia, às equipas dos serviços de emergência e aos bombeiros que trabalharam durante toda a noite. Quero agradecer às pessoas de Manchester: mesmo nos minutos a seguir ao ataque, eles abriram as suas portas a estranhos para os retirar do local do ataque... Será esse espírito de Manchester que irá prevalecer e manter-nos unidos."

Burnham integrava o Ministério do Interior durante os ataques de 7 de julho de 2005 em Londres, que provocaram 52 mortos: "Lembro-me de como Londres estava naquele dia, lembro-me vividamente... Manchester vai recuperar... é assim que nós somos, é isso que fazemos. Eles não vão ganhar. Esta cidade já lidou com coisas difíceis no passado e vamos voltar a fazê-lo agora."

07h37 Partidos suspendem campanha eleitoral para as legislativas de 8 de junho

Os Conservadores, os Trabalhistas, os Liberais Democratas e o Partido Nacionalista Escocês (SNP) suspenderam os seus programas de campanha eleitoral. A primeira-ministra britânica, Theresa May, vai estar reunida com a comissão de emergência Cobra. Nas suas primeiras reações, classificou o incidente como "um ataque terrorista apavorante", com o líder do principal partido da oposição, o trabalhista Jeremy Corbyn, a descrevê-lo como "um incidente terrível".

"Todo o edifício abanou", conta à BBC Emma Johnson, que estava no exterior da arena à espera que os filhos saíssem do concerto quando se deu o ataque. "Houve uma explosão e depois um lampejo de fogo. Havia corpos em todo o lado."

07h32 Principais atualizações da informação esta manhã:

  • Balanço de mortos foi atualizado para 22
  • Entre as vítimas mortais contam-se crianças
  • Pelo menos 59 pessoas ficaram feridas e estão a receber tratamento em oito hospitais da zona de Grande Manchester
  • A polícia acredita que o ataque foi executado por um homem só mas está a investigar se este integra uma rede mais alargada
  • O suspeito morreu no local após detonar um engenho explosivo; tratou-se de um bombista-suicida

07h27 O comunicado do chefe da polícia esta terça-feira de manhã:

"Este foi o incidente mais horrífico com que tivemos de lidar na zona de Grande Manchester e um que todos esperávamos nunca ter de ver. Famílias e muitos jovens estavam a desfrutar de um concerto na Arena de Manchester e perderam as suas vidas. As 22 vítimas que agora sabemos que morreram e as 59 pessoas que ficaram feridas, bem como os seus entes queridos, estão nas nossas mentes. Continuamos a fazer todos os possíveis para as apoiar. [Os feridos] estão a ser tratados em oito hospitais da área.

Esta é uma investigação que está a avançar rapidamente, temos à disposição recursos significativos que estão a ser usados na investigação e patrulhas espalhadas pela região metropolitana de Grande Manchester que as pessoas vão ver quando acordarem com as notícias dos eventos de ontem à noite. Estas patrulhas incluem agentes armados como seria de esperar. Mais de 400 agentes estiveram envolvidos nesta operação durante a noite.

Para vos lembrar, fomos chamados às 22h33 com notícias de uma explosão na Arena de Manchester no final do concerto de Ariana Grande. Recebemos mais de 250 chamadas e os serviços de emergência foram muito, muito rápidos a chegar ao local. Foram criados números de emergência para qualquer pessoa que esteja preocupada e cujos familiares ou amigos possam não ter voltado a casa.

Estamos a tratar do caso como um incidente terrorista e acreditamos que, apesar de o ataque de ontem à noite ter sido executado por um homem, a prioridade é estabelecer se agiu sozinho ou integrado numa rede.

O atacante, posso confirmar, morreu na arena. Acreditamos que transportava um engenho explosivo improvisado, que ele detonou, causando esta atrocidade.

Pedimos às pessoas que não especulem sobre os detalhes ou que partilhem nomes. Uma investigação complexa e abrangente está em curso.

A nossa prioridade é trabalhar com a rede de contra-terrorismo e com os serviços secretos do Reino Unido para determinar mais detalhes sobre o indivíduo responsável por este ataque.

07h15 O chefe da polícia, Ian Hopkins, diz que o suspeito do ataque morreu na explosão. As autoridades acreditam que o homem agiu sozinho na segunda-feira à noite, embora as investigações em curso continuem a não excluir a possibilidade de integrar uma rede extremista. À hora do ataque, o suspeito estaria a "carregar um engenho explosivo improvisado, que ao detonar causou esta atrocidade".

07h10 Autoridades de Manchester reveem balanço de vítimas para 22 mortos e pelo menos 59 feridos; há crianças entre os mortos

07h00 - Retomamos esta manhã o direto sobre os desenvolvimentos do atentado em Manchester

03h35 Por agora, encerramos este direto. Obrigado por ter estado desse lado a acompanhar.

03h30 O que sabe e não se sabe até agora

Eram 22h33 quando uma explosão na Manchester Arena fez pelo menos 19 mortos e 50 feridos. Este foi o primeiro e único balanço apresentado pela polícia de Manchester, embora existam relatos e notícias de que os números possam ser superiores.

Theresa May assegurou que as autoridades estão a tratar o caso como um “assustador ataque terrorista”. Esta terça-feira, logo pela manhã, a primeira-ministra cai reunir-se de emergência para avaliar quais as medidas a tomar.

Quando tudo aconteceu, na sala de espetáculos tinha acabado um concerto da cantora norte-americana Ariana Grande, sendo que grande parte do público era composto por crianças e jovens. Pelo menos 50 crianças foram recolhidas pela polícia, pois estavam sem acompanhante, e levadas para um hotel nas imediações. A polícia não adiantou idades das vítimas.

A polícia metropolitana refere que foi alertada para uma a explosão no átrio da entrada da sala de espetáculos, enquanto a Manchester Arena assegura que ocorreu num “local público fora do recinto”.

Também se desconhece a origem da explosão. As autoridades não revelaram as causas por trás do ataque nem apontaram responsáveis. No entanto, a CNN, citando informações passadas pelas autoridades britânicas às autoridades norte-americanas, refere que se poderá tratar de bombista suicida.

Pode ainda ver estas 29 imagens que ajudam a contar o que aconteceu esta noite.

03h27 O departamento de Segurança Interna dos Estados Unidos assegurou, através de comunicado, que está acompanhar de perto a situação em Manchester. “Estamos prontos a assistir os nossos amigos do Reino Unido em tudo o que for necessário enquanto investigam e recuperam deste incidente”, lê-se no documento. É ainda referido que não existe qualquer “ameaça credível às salas de espetáculo norte-americanas”.

03h24 Na íntegra o comunicado da polícia de Manchester:

03h08 Em conferência de imprensa, a polícia imprensa confirma o que já tem vindo a divulgar nas últimas hora: 19 vítimas mortais e 50 feridos, que estão a ser tratados em seis hospitais. Mais do que informação sobre causas do “ataque”, as autoridades usaram a conferência de imprensa para apelar às pessoas que tenham cuidado e divulgarem os números de emergência.

03h03 Primeira-ministra escocesa

03h00 começa a conferência de imprensa. O chefe da polícia de Manchester, Ian Hopkins fala aos jornalistas.

02h58 São 29 imagens que ajudam a contar o que aconteceu nesta “noite terrível”

1 / 29

Christopher Furlong/ Getty Images

2 / 29

Dave Thompson/ Getty Images

3 / 29

PAUL ELLIS/ Getty Images

4 / 29

Dave Thompson/ Getty Images

5 / 29

Christopher Furlong/ Getty Images

6 / 29

Christopher Furlong/ Getty Images

7 / 29

Dave Thompson/ Getty Images

8 / 29

Christopher Furlong/ Getty Images

9 / 29

Dave Thompson/ Getty Images

10 / 29

Dave Thompson/ Getty Images

11 / 29

STRINGER/ Reuters

12 / 29

NIGEL RODDIS/ EPA

13 / 29

Dave Thompson/ Getty Images

14 / 29

Dave Thompson/ Getty Images

15 / 29

Dave Thompson/ Getty Images

16 / 29

NIGEL RODDIS/ EPA

17 / 29

Dave Thompson/ Getty Images

18 / 29

Dave Thompson/ Getty Images

19 / 29

NIGEL RODDIS/ EPA

20 / 29

STRINGER/ Reuters

21 / 29

ANDREW YATES/ Reuters

22 / 29

STRINGER/ Reuters

23 / 29

STRINGER/ Reuters

24 / 29

STRINGER/ Reuters

25 / 29

STRINGER/ Reuters

26 / 29

ANDREW YATES/ Reuters

27 / 29

STRINGER/ Reuters

28 / 29

PETER POWELL/ EPA

29 / 29

NIGEL RODDIS/ EPA

02h46 O gabinete de emergência irá reunir-se esta terça-feira logo pela manhã, confirmou May.

02h23 Theresa May, primeira -ministra britânica: “Estamos a trabalhar para compreender todos os detalhes daquilo que está a ser tratado como um assustador ataque terrorista. Todos os nossos pensamentos estão com as vítimas e as famílias daqueles que foram afetados”.

02h05 Presidente da Câmara de Manchester recorreu ao Twitter para comentar a “noite terrível”.

02h00 O Facebook acionou o safety check, que permite saber se algum amigo está bem e em segurança.

01h59 As estações ferroviárias mais próximas foram encerradas, pelo que quem necessitar de boleia ou um quarto para ficar a dormir pode seguir a hashtag #RoomForManchester, nas redes sociais. Leia mais na Blitz.

01h58 A Manchester Arena é a maior sala fechada do Reino Unido e uma das maiores da Europa, com capacidade para 21 mil pessoas.

01h53 A NBC, citando informações passadas pelas autoridades britânicas às autoridades norte-americanas, refere que se poderá tratar de bombista suicida.

01h48 O pacote suspeito, que a polícia fez explodir, era um conjunto de roupa abandonada. A informação foi confirmada pelas autoridades.

01h42 Explosão controlada vai ter lugar nos jardins da catedral de Manchester. A advertência foi feita pelas autoridades locais, indicando às pessoas por não se preocuparem por ouvirem a explosão que irá ter lugar.

01h40 Comunicado na íntegra da Manchester Arena:
Podemos confirmar que houve um incidente enquanto as pessoas abandonavam o concerto de Ariana Grande na última noite.
O incidente aconteceu num local público fora do recinto.
Os nossos pensamentos e orações estão com as vítimas”.

01h38 Comunicado da polícia na íntegra:
“Pouco depois das 22h35, do dia 22 de maio de 2017, a polícia foi chamada na sequência de relatos de uma explosão no interior do Manchester Arena.
Até ao momento, foram confirmadas19 pessoas mortas e 50 outros feridos.
Neste momento, está a ser tratado como um incidente terrorista até que a polícia tenha informação contrária”

01h35 Resumo
Uma explosão na Manchester Arena fez pelo menos 19 mortos e 50 feridos. As autoridades estão a tratar o caso como “um possível incidente terrorista”.

A polícia metropolitana refere que a explosão terá acontecido no átrio de entrada da sala de espetáculos, enquanto a Manchester Arena assegura que ocorreu num “local público fora do recinto”

Quando tudo aconteceu, na sala de espetáculos tinha acabado um concerto da cantora norte-americana Ariana Grande, sendo que grande parte do público era composto por crianças e jovens. Pelo menos 50 crianças foram recolhidas pela polícia, pois estavam sem acompanhante, e levadas para um hotel nas imediações.

Várias testemunhas relatam que após o forte barulho, as pessoas começaram a correr em pânico.

01h32

01h22 Imagem do interior da arena, momentos depois do incidente.

Imagem de um vídeo mostra as pessoas a abandonarem a Manchester Arena

Imagem de um vídeo mostra as pessoas a abandonarem a Manchester Arena

REUTERS TV

01h13 A polícia confirma pelo menos 19 mortos e 50 feridos.

01h11 Nas redes sociais, são várias as partilhas de imagens nos momentos seguintes à explosão.

01h08 À semelhança do que já aconteceu em outras ocasiões, as pessoas de Manchester estão a oferecer abrigo a quem não consegue sair da cidade e regressar a casa. Com a hashtag #roomformanchester

01h04 “Ariana Grande tinha mesmo acabado a última música quando se ouviu um grande estrondo. Vi pessoas a correr e, instintivamente, comecei correr também”, referiu à BBC Sebastian Diaz, um estudante de Newcastle de 19 anos. “Acabámos num corredor que se revelou um beco sem saída. Foi assustador. Encontrei as portas principais e estavam pessoas a chorar por todo o lado”, acrescentou.

01h00 Segundo a BBC, as autoridades estão a tratar o caso como um “possível incidente terrorista”.

00h58 A estação ferroviária Vitória, com ligação à Arena, foi evacuada e todos os comboios cancelados, informou a empresa National Rail, através de um comunicado. “Os serviços de emergência estão a lidar com um incidente na Arena de Manchester. Uma vez que a (estão de) Manchester Victoria está localizada perto da Arena, a estação foi evacuada e todas as linhas encerradas”, adiantou a empresa.
No texto, foi adiantado que “os comboios são incapazes de ir para e partir de Manchester Victoria. Alguns comboios vão ser cancelados e vão partir ou chegar a estações alternativas. A perturbação deve continuar até ao final do dia”.

00h51 “Estava na fila da frente e pareceu-me que aconteceu bem lá atrás. Soou quase como um tiro, seria assim que descreveria. Foi muito barulhento. Olhava à minha volta e as pessoas baixavam-se e corriam para fora do edifício. Estava a ter um ataque de asma e em pânico. A polícia disse-nos que tínhamos de sair. As pessoas estavam a chorar”, contou Calvin Welsford de 18 anos à BBC.

00h46 O concerto que decorria tinha como público sobretudo crianças e jovens. As autoridades recolheram pelo menos 50 crianças sem acompanhante. Estão a ser levadas para um hotel nas imediações da arena.

00h41 A polícia dos transportes britânicos emitiu uma declaração em que esclarece que foi chamada a intervir “mediante relatos de uma explosão no átrio do Manchester Arena”

00h37 Ao local chegam várias unidades de resposta de emergência. Uma delas, da brigada anti explosivos.

00h34 Tim Farron, líder dos liberais democratas: “este é um chocante e horrível ataque dirigido contra crianças e jovens que estavam simplesmente a assistir ao concerto. A minha solidariedade está com as vítimas e com as famílias que perderam entes queridos assim como aqueles que estão desesperadamente à espera de notícias. Quero prestar tributo à coragem e dedicação dos serviços de emergência. Este é um ataque a pessoas inocentes e a nação está unida pela dor e determinação para permanecer erguida perante este deplorável ataque.”

00h29 As imagens mostram várias ambulâncias a dirigirem-se para o local.

00h22 Polícias armados estão a controlar as ruas em redor da arena e manter as pessoas afastadas do local.

00h15 Os serviços de emergência receberam indicações de que uma explosão terá ocorrido após o concerto. Segundo a National Rail, citada pelo “The Guardian”, todas as linhas com passagem pela estação de Manchester Vistoria estão encerradas.

00h05 Ainda pouco se sabe sobre o que aconteceu no interior da sala de espetáculos. Segundo várias testemunhas, citadas pela imprensa britânica, após o concerto, ouviu-se um barulho semelhante a uma explosão, cujo origem ainda não foi confirmada. As pessoas que se encontravam no local entraram em pânico.

00h “Existe um número de mortes e de outros feridos”, confirmaram as autoridades locais no Twitter. A polícia irá dar mais informações em breve e pede às pessoas para se afastarem da Manchester Arena.

23h55 A Manchester Arena foi evacuada esta segunda-feira à noite na sequência de um “grave incidente”. Ainda pouco se sabe sobre o que aconteceu na zona da sala de espetáculos, onde tinha terminado um concerto da cantora norte-americana Ariana Grande. Segundo várias testemunhas, citadas pela imprensa britânica, após o concerto, ouviu-se um barulho semelhante a uma explosão, cujo origem ainda não foi confirmada. As pessoas que se encontravam no local entraram em pânico.