Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Não renunciarei, repito, não renunciarei”: Temer fica, dois ministros saem

UESLEI MARCELINO / Reuters

Presidente do Brasil falou ao país depois das acusações de corrupção

Michael Temer não irá sair da presidência do Brasil. “Não renunciarei”, confirmou perante os jornalistas em conferência de imprensa esta quinta-feira à tarde no Palácio do Planalto, na cidade de Brasília.

“Nada tenho a esconder. Sempre honrei o meu nome e nunca autorizei que fosse usado indevidamente. Não renunciarei, repito, não renunciarei.Em nenhum momento autorizei que pagassem a quem quer que seja para que ficasse calado. Não comprei o silêncio de ninguém. Sei o que fiz e sei que os meus atos são corretos”, disse o Presidente. “O meu compromisso é com o Brasil e só esse compromisso me guiará”, conclui.

Na terça-feira ao final da tarde, “O Globo” divulgou uma gravação feita pelos irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS (maior empresa de carnes do país), em que Temer concorda com o pagamento do silêncio de Eduardo Cunha – preso desde agosto no âmbito da Lava Jato e considerado um dos arquitetos da destituição de Dilma Rousseff . Apesar de confirmar o encontro, Temer disse que “jamais solicitou pagamentos para obter o silêncio de Cunha”.

A confirmar-se a gravação, que está nas mãos do Ministério Público, pode configurar crime de obstrução à justiça e permitir abrir um processo de destituição por crime de responsabilidade, salientam os especialistas jurídicos.

“Caso se confirme a conversa, há três cenários possíveis: abertura de processo de destituição no Supremo Tribunal por crime de responsabilidade; renúncia; ou processos-crime simples junto no STF”, explica Óscar Vilhena Vieira, diretor da Escola de Direito da Fundação Getúlio Vargas.

A divulgação da conversa com o dono da JBS surge a poucas semanas de o Supremo Tribunal Eleitoral começar a julgar as ilegalidades da campanha Dilma -Temer, onde é pedida a destituição do atual presidente.

“O meu Governo viveu esta semana o melhor e o pior momento: os dados de criação de emprego e a queda da inflação criaram condições para um país melhor. Houve contudo a revelação de uma conversa gravada clandestinamente que trouxe de volta o fantasma de crise política”, disse Temer esta quinta-feira.