Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Forças Democráticas Sírias avançam sobre Raqqa com apoio dos EUA

Sírios abandonam Raqqa, na Síria, para fugirem aos combates

RODI SAID/REUTERS

A aliança liderada pelos Estados Unidos, que apoia as Forças Democráticas da Síria, “aperta o cerco” sobre Raqqa. Aproximadamente 3000 a 4000 combatentes do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) estão escondidos na cidade

A aliança liderada pelos EUA e apoiada por combatentes do curdistão sírio e militares árabes, reconquistou na semana passada cerca de 350 quilómetros quadrados na província de Raqqa, na Síria, “apertando o cerco” ao Daesh. Um avanço que teve por objetivo isolar a base de operações daquele grupo terrorista em território sírio.

Cerca de 3000 a 4000 combatentes do Daesh poderão estar escondidos na cidade de Raqqa, local onde continuam a erguer defesas contra os avanços da coligação, informou o Coronel Ryan Dillon à agência de notícias Reuters.

As Forças Democráticas Sírias (SDF) cercaram a cidade de Raqqa, bastião do Daesh na Síria, desde novembro. Na semana passada conseguiram também recuperar a cidade de Tabqa, cerca de 50 quilómetros a oeste de Raqqa.

“Na última semana, as SDF apertaram o círculo em torno do Daesh, na parte norte, leste e oeste de Raqqa”, tendo resgatado perto de 350 quilómetros quadrados de terra ao Daesh.

As forças sírias, que incluem o grupo armado curdo (YPG), informaram na semana passada que pretenden lançar o ataque final a Raqqa no início do verão.

Questionado sobre o prazo, Dillon diz que não é possível ficar preso “a uma linha temporal”. “Na guerra há o fator surpresa e queremos conseguir isso, queremos que os nossos parceiros atinjam isso quando se decidir o momento e o lugar certos para começar o assalto.”

A Casa Branca aprovou, na semana passada, o fornecimento de armas ao YPG, para ajudar no ataque a Raqqa, embora, de acordo com Ryan Dillon, não existam ainda especificações sobre o tipo de armas e equipamentos que as forças sírias vão receber.