Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Fonte da WikiLeaks Chelsea Manning libertada da prisão

Manning fotografada durante o julgamento em junho de 2013

PETE MAROVICH / EPA

Condenada por 20 delitos, entre os quais espionagem, por ter enviado centenas de milhares de documentos classificados para a Wikileaks, de Julien Assange, viu a maior parte da pena de 35 anos que lhe faltava cumprir comutada pelo Presidente Barack Obama no final do mandato

A soldado Chelsea Manning foi libertada da prisão depois de ter cumprido sete anos de pena por revelar milhares de documentos diplomáticos e militares norte-americanos à Wikileaks, noticiou esta quarta-feira a BBC.

Um porta-voz militar confirmou à BBC que Maning saiu da prisão militar de Fort Leavenworth, no Kansas.

A maior parte dos 35 anos que lhe faltava cumprir foi comutada pelo Presidente Barack Obama perto do final do mandato.

A advogada de Manning, Nancy Hollander, disse que a soldado, de 29 anos, estava entusiasmada com a libertação, mas também "ansiosa", uma vez que "vai finalmente poder viver como mulher que é".

Chelsea Manning nasceu Bradley Manning e, já em pleno processo judicial, afirmou que desde criança se sentia feminina e queria viver como mulher, com o nome Chelsea.

Manning foi condenada por 20 delitos, entre os quais espionagem, mas foi absolvida da acusação mais grave, de "ajuda ao inimigo".

A soldado justificou a decisão de enviar centenas de milhares de documentos classificados para a organização fundada por Julien Assange para suscitar um debate público sobre o papel militar e diplomático dos Estados Unidos.

Mais tarde, contudo, pediu desculpa por "prejudicar os EUA", afirmando ter acreditado erradamente que podia "mudar o mundo para melhor".

Manning acedeu à informação classificada quando estava destacada no Iraque como analista de informações do exército norte-americano.