Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Máfia e organização católica exploravam centro de migrantes

A polícia italiana deteve esta manhã 68 pessoas, entre as quais a de um padre, acusadas de envolvimento num esquema de exploração de um dos maiores centros de migrantes do país

Um dos maiores centros de migrantes em Itália estava controlado, há mais década, por um clã mafioso num esquema que envolvia uma organização de caridade católica, anunciaram os procuradores italianos esta segunda-feira, após as operações policiais que decorreram durante a manhã e que levaram à detenção de 66 pessoas.

Cerca de 1500 migrantes encontravam-se no centro Santa Anna Cara, na cidade de Isola Capo Rizzuto, que o clã Arena usava para desviar milhões de euros de fundos estatais. Entre os detidos encontrava-se um padre, responsável pela associação local da Misericórdia que gere o centro de migrantes.

A máfia controlava serviços elementares como o fornecimento de refeições e lavandaria. “Se 500 migrantes tivessem de almoçar, apenas 250 refeições chegariam ao centro. As outras 250 ou seriam dadas a comer à noite, ou no dia seguinte”, afirmou o procurador Nicola Gratteri em conferência de imprensa.

“Entretanto, o chefe da Misericórdia, o padre e os seu amigos engordavam, compravam carros de luxo, apartamentos e barcos”, acrescentou.

A polícia arrestou bens e propriedades no valor de 84 milhões de euros durante os raides desta manhã. Cerca de 200 mil euros foram encontrados na casa de um homem que, segundo a respetiva declaração de impostos, teve um rendimento anual de apenas 800 euros.

“O Isola Capo Rizzuto tornou-se uma operação de fazer dinheiro para o crime organizado, graças à cumplicidade daqueles que gerem o centro”, afirmou a chefe da comissão parlamentar antimáfia, Rosy Bindi.

“Esta operação mostra a habilidade da máfia para se aproveitar da fraqueza e fragilidade dos nossos tempos, com a sua abordagem predatória e parasita”, frisou.

A polícia indicou que muito dos detidos pertencem ao clã Arena da máfia Ndrangheta. Trata-se de uma das maiores organizações criminosas que está sedeada na região de Calabria e que é uma das maiores responsáveis pela entrada de cocaína na Europa.