Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

“Cadeados do amor” retirados de ponte em Paris vão ajudar refugiados

Getty

Apesar de terem sido retirados da Ponte das Artes e causado tristeza a grande parte dos turistas, os “cadeados do amor” vão agora ser leiloados por uma causa nobre, ajudar os refugiados. Estão em exposição a partir desta quinta-feira e serão leiloados no sábado, na tradicional casa de leilões parisiense Crédit Municipal

Os cadeados da Ponte das Artes, em Paris, que milhares de casais apaixonados foram colocando, ao longo dos anos, como símbolo do seu amor eterno, vão ser apresentados a partir de quinta-feira na capital francesa e leiloados no sábado, com o objetivo de angariar fundos para organizações de apoio aos refugiados.

Uma das organizadoras do evento, Mathilde Belcour-Coldelier, afirma que esperam "arrecadar entre 100 mil e 150 mil euros", nos 165 lotes à venda. O preço dos cadeados oscilará entre os 8 mil os 10 mil euros. "O leilão é totalmente para a caridade" e os números são apenas indicativos, podendo o lucro ser bem mais elevado que o previsto, pois trata-se do "primeiro leilão deste tipo em todo o mundo", disse Belcour-Coldelier ao El País.

Esta iniciativa teve origem em maio de 2016, quando a Câmara de Paris ordenou a retirada definitiva dos cadeados, das 37 grades da Ponte das Artes, ponte essa que atravessa o rio Sena e encontra-se localizada próxima da Catedral de Notre Dame. A estrutura estava em risco de ceder devido às 70 toneladas de peso.

Entre os 165 lotes encontram-se cadeados em forma de coração, outros em forma de Torre Eiffel, sendo que a grande maioria tem declarações de amor escritas em vários idiomas.

O leilão irá realizar-se no próximo sábado, na tradicional casa de leilões parisiense Crédit Municipal e o dinheiro angariado irá reverter a favor de três organizações: a Solipam, que se encarrega de ajudar mulheres refugiadas que se encontram grávidas; a Emmaüs Solidarité, que conta com centros de acolhimento para refugiados; e a Armée du Salut, que conta com 130 anos de luta contra a exclusão social.