Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Alemanha pode vir a ser governada pela “coligação da Jamaica”

MICHAEL REYNOLDS/ EPA

A designação surge pelas cores da bandeira jamaicana — preto, amarelo e verde — coincidirem com as dos três partidos da eventual futura coligação que Merkel poderá vir a liderar, como o prevê uma sondagem revelada esta quarta-feira

Uma sondagem revelada esta quarta-feira reforça a hipótese de Angela Merkel vir a governar, após as eleições parlamentares alemãs de setembro, através de uma coligação tripartida que junte o seu partido União Democrata Cristã (CDU) ao Partido Democrático Livre (FDP) e aos Verdes, estabelecendo aquilo que tem sido designado como a “coligação da Jamaica”, dada a coincidência das cores da bandeira do país das Caraíbas — preto, amarelo e verde — com a das três formações políticas.

A CDU mantém-se nos 36% de intenções de voto, enquanto o Partido Social Democrata (SPD), o atual partido minoritário da “grande coligação” de Merkel e o mais forte concorrente nas próximas eleições, sobe um ponto mas fica-se pelos 29%, na sondagem levada a cabo pelo Instituto Forsa.

Os Verdes surgem com 8% e o FDP assim como os eurocépticos Alternativa para a Alemanha (AfD) com 7% cada.

A “coligação da Jamaica” já está a ser negociada no estado do norte Schleswig-Holstein, após a vitória que a CDU ali obteve nas eleições regionais do passado domingo.

Alguns deputados da CDU, entre os quais o vice-ministro das Finanças Jens Spahn, declararam esta semana que essa coligação poderá ser também uma hipótese a nível nacional em setembro.

Tanto a CDU como o SPD indicaram anteriormente pretenderem pôr fim à sua atual coligação e virem a tentar formar Governo com partidos mais pequenos.

A nível individual, a sondagem mostra ainda o aumento da vantagem de Merkel relativamente a Martin Schulz, com a chanceler a obter 48% de apoios e o antigo Presidente do Parlamento Europeu e atual líder do SPD a ficar-se nos 27%.

A nível interno dos respetivos partidos, o apoio a Shulz fica-se agora nos 67% (menos sete pontos do que obtivera uma semana antes) enquanto Merkel mantém-se nos 90%.