Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Foi raptada pelo Boko Haram mas recusa ser libertada. Diz que está “bem” e “casada”

As 82 mulheres libertadas foram levadas no sábado para Abuja, capital da Nigéria, para conhecerem o Presidente Muhammadu Buhari

STR

Porta-voz da Presidência nigeriana disse esta terça-feira que uma das 276 estudantes de liceu raptadas em Chibok, nordeste do país, em 2014 "disse não" à sua libertação. “Estou bem onde estou. Estou casada”

Uma das 200 adolescentes nigerianas de Chibok, raptadas pelo grupo radical Boko Haram, recusou ser libertada numa troca de prisioneiros com o grupo jiadista nigeriano, declarando estar "bem" e "casada", anunciou esta terça-feira a Presidência daquele país africano.

A mesma fonte, citada pela agência France Press, começou por anunciar há semanas a existência de conversações com o grupo armado no sentido da libertação de 83 raparigas. Agora, apenas 82 foram libertadas.

De acordo com o porta-voz da Presidência nigeriana, uma das 276 estudantes de liceu raptadas em Chibok, nordeste do país, em 2014 "disse não": "Estou bem onde estou. Estou casada".

Depois de mais esta libertação – 21 adolescentes foram trocadas em outubro; 3 foram encontradas pelo exército nigeriano e 57 conseguiram escapar – o Boko Haram mantém cativas ou sob o seu controlo 113 raparigas.

As jovens agora devolvidas "não todas originárias da cidade de Chibok, mas também de aldeias nos arredores", indicou a mesma fonte.

O Boko Haram, que utiliza o rapto massivo como forma de recrutamento, raptou dezenas de milhares de pessoas, que o exército nigeriano tem vindo a libertar ao ritmo das suas incursões em território controlado pelo grupo terrorista.

As pessoas resgatadas são depois todas submetidas pelo Governo nigeriano, ou respetivas forças armadas, a processos frequentemente muito longos de apuramento da identidade e grau de simpatia em relação ao Boko Haram. Estes processos de "screening" duram por vezes vários meses.

Garba Shehu, porta-voz da Presidência nigeriana, garantiu hoje que as raparigas não tinham ainda sido entregues às respetivas famílias, porque as autoridades tinham a necessidade de garantir as respetivas identidades.

"Os nomes foram publicados, mas devido à semelhança de alguns nomes, preferimos assegurar-nos das suas identidades mostrando as fotografias às famílias", explicou, de acordo com a AFP, o porta-voz.

A Amnistia Internacional apelou no passado domingo às autoridades nigerianas para não prolongarem o tempo do inquérito militar tradicional que pretende aferir o grau de ligação do Boko Haram.

No início de abril, a Unicef denunciou também a detenção de centenas de crianças pelas forças armadas nigerianas, que as interrogam sobre o Boko Haram e a eventual filiação ao grupo jihadista.