Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Obama pede prudência ao Congresso na reforma da saúde

Paul Marotta/GETTY

Ex-Presidente dos Estados Unidos apelou à “coragem” dos membros do Congresso para travarem a revogação da lei de saúde, uma das marcas da sua administração

Três dias depois de a Câmara dos Representantes ter aprovado um texto de revogação e substituição do Obamacare, o ex-Presidente norte-americano fez um apelo aos membros do Congresso, pedindo prudência na reforma da saúde. O programa de cobertura universal, aprovado em 2010, foi um dos marcos da sua administração (2008-2016).

“Como todos aqui sabem, este grande debate não está concluído, continua. E é a minha fervorosa esperança e a esperança de milhões, independentemente do partido, que faz crer que tal coragem ainda é possível”, declarou Barack Obama este domingo, durante um discurso em Boston após receber o prémio Perfil de Coragem, da Fundação John F. Kennedy.

Sem nunca referir o nome do seu sucessor ou tecer críticas às suas ideias, o ex-chefe de Estado norte-americano solicitou “coragem” aos membros do Congresso para travarem a revogação da lei de saúde em vigor desde a sua administração. “Espero que os atuais membros do Congresso reconheçam que não é preciso coragem para ajudar aqueles que já são ricos e poderosos, mas que é exigida coragem para ajudar os vulneráveis e os doentes. Temos de escolher aquilo que, do fundo dos nossos corações, sabemos que é o correto”, acrescentou.

Obama sublinhou ainda os benefícios do atual plano de saúde nos EUA, dizendo esperar que os membros do Congresso estejam dispostos a olhar para os factos e a atuar em função disso, mesmo quando “vai contra as posições do partido”.

A aprovação do diploma que revoga o Obamacare aconteceu depois de o texto proposto pelos republicanos ter sido por duas vezes chumbado. Cabe agora ao Senado – que conta com 52 legisladores republicanos contra 48 democratas – dar o OK final ao diploma.