Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bombas da II Guerra obrigam à evacuação parcial de Hanôver

A 9 de outubro de 1943, forças aliadas despejaram 261 mil bombas sobre Hanôver. Muitas continuam escondidas, por detonar

Alexander Koerner / Getty Images

Um décimo da população da cidade alemã de Hanôver abandona este domingo as suas casas para que possam ser desativadas 13 bombas da II Guerra Mundial

Margarida Mota

Jornalista

Cerca de 50 mil habitantes de Hanôver serão, este domingo, obrigados a um “passeio” forçado. Parte daquela cidade do noroeste da Alemanha será evacuada para que treze bombas do tempo da II Guerra Mundial possam ser desativadas.

Como medida de precaução, foi pedido aos moradores afetados pela operação — cerca de 10% da população da cidade — que desliguem a eletricidade e o gás. E que levem consigo a medicação que costumam tomar, se for o caso, não vá a operação demorar-se. Com início previsto para as nove da manhã, poderá durar 24 horas.

Entre os edifícios evacuados estão sete lares, uma clínica e uma fábrica de pneus Continental. Para ajudar os habitantes a passarem o tempo, o município de Hanôver preparou um programa cultural especial, com eventos em museus, teatros e outros espaços públicos.

Na Alemanha, esta será a segunda maior evacuação do género desde a II Guerra Mundial. A que incomodou mais pessoas aconteceu no ano passado, na véspera de Natal, em Augsburg, no estado da Baviera. Então, 54 mil pessoas tiveram de sair de casa para que uma bomba de 3,8 toneladas, lançada pelos britânicos e descoberta durante trabalhos de construção, fosse desativada.

Bomba da II Guerra Mundial encontrada em Augsburg, sul da Alemanha, em 2015

Bomba da II Guerra Mundial encontrada em Augsburg, sul da Alemanha, em 2015

STEFAN PUCHNER / GETTY IMAGES

“As autoridades alemãs estão pressionadas para remover de áreas populosas engenhos que não explodiram”, escreve a Deutsche Welle. “Com o passar do tempo, as bombas tornam-se mais perigosas, devido à deterioração do material.”

“Dia negro” na cidade

Hanôver foi uma das cidades alemãs mais castigadas pela guerra. A 9 de outubro de 1943, a cidade viveu o seu “dia negro” quando foi alvo de um intenso bombardeamento por parte da Royal Air Force (RAF) que provocou 1245 mortos e deixou 250 mil pessoas sem casa. Nesse dia, 261 mil bombas foram despejadas sobre a cidade.

No fim do conflito, 90% do centro de Hanôver, capital do estado da Baixa Saxónia, tinha sido destruído, com 52% dos edifícios fortemente danificados ou completamente destruídos.

Mais de 70 anos depois, muitas das bombas que não explodiram continuam a ser notícia. Em 2010, em Göttingen (Baixa Saxónia), três membros de uma equipa de desativação de explosivos morreram após uma bomba detonar quando tentavam desativa-la.

Em dezembro de 2011, 45 mil pessoas foram transferidas de Koblenz, após duas bombas serem encontradas no leito do Reno. Em maio de 2015, foi a vez de Colónia ser virada do avesso, com 20 mil pessoas forçadas a sair momentaneamente de suas casas após ser descoberta uma bomba de uma tonelada.