Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Violência entre traficantes de droga mata 35 no México

A violência entre gangues mexicanos tem vindo a aumentar desde a captura de "El Chapo", líder do cartel de Sinaloa, em 2016.

ALFREDO ESTRELLA/GETTY

Pelo menos 35 mortos é o saldo dos confrontos entre traficantes de droga ocorridos durante este fim de semana por todo o país

Miguel Rebocho Pais

Morreram 35 pessoas neste fim de semana devido a conflitos entre gangues em diferentes regiões do México, afirmam as autoridades do país. Só em Sinaloa, um estado mexicano no topo da lista de homicídios por arma de fogo, morreram 12 pessoas desde a madrugada de domingo, segundo a Reuters.

Nas montanhas do estado de Michoacán, no centro litoral, um tiroteio entre traficantes de droga rivais matou outros nove no sábado, segundo o gabinete do procurador-geral do estado, José Godoy Castro. A procuradoria acrescenta ainda que oito dos corpos foram encontrados na rua principal da cidade de Churumuco. A região de Michoacán está há mais de três anos sob forte controlo do Governo mexicano, para combater a violência entre os traficantes de droga e as milícias civis que se têm formado como resposta.

Em Guerrero, a sul de Michoacán, foram encontrados mais oito cadáveres no domingo. A região é especialmente propensa a episódios de violência entre gangues, uma vez que alberga várias plantações de papoilas de ópio, utilizadas no fabrico de heroína. No estado de Veracruz, no centro-leste, foram descobertos mais seis corpos, elevando o total para 35 em todo o país, num só fim de semana.

A violência entre os gangues mexicanos tem vindo a aumentar desde a captura, no início de 2016, de “El Chapo” (Joaquín Guzman), o líder do cartel de Sinaloa. O traficante foi extraditado para os Estados Unidos em janeiro deste ano. Segundo estatísticas do governo mexicano, março foi o mês mais sangrento desde o verão de 2011, tendo-se registado 2020 homicídios no país.