Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Imprensa francesa destaca o “KO da direita” e a “sensação Macron”

Sylvain Lefevre/GETTY

O “Le Figaro” e o “Le Parisien” sublinham a eliminação de Fillon e de Mélechon e a passagem à segunda volta de Macron e de Le Pen

A imprensa francesa destaca esta segunda-feira as eleições presidenciais em França, que decorreram no domingo e levaram até à segunda volta a candidata de extrema-direita, Marine Le Pen, e o do centro, Emmanuel Macron.

O jornal “Le Figaro” titula em manchete “La droite KO”, sublinhando que a eliminação de François Fillon e de Jean-Luc Mélechon constituem uma “derrota histórica” para a direita francesa.

O “Le Parisien” mostra em toda a primeira página uma foto de Macron a acenar com o título “A sensação Macron”. O jornal destaca ainda, além do “vencedor” (23,9%), a “finalista” Marine Le Pen (21,4%), que disputará a segunda volta, e os “perdedores” Fillon (19,9%) e Mélechon (19,6%).

O “Liberation” mostra uma foto de Emmanuel Macron na capa, escrevendo “Macron à frente de Le Pen na primeira volta” e “Os apelos para uma barreira contra a FN [Frente Nacional] multiplicam-se”.

O jornal “Le Quotidien” escreve na capa “Marchar ou morrer”, com uma foto dos dois candidatos que passaram à segunda volta das presidenciais em França, em fundo negro.

Os dados da primeira volta das eleições presidenciais em França, quando estavam apurados 97% dos votos, indicam que o centrista Emmanuel Macron venceu a primeira volta com quase mais 2,5 pontos percentuais do que a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen.

Segundo os dados do Ministério do Interior, quando faltam apurar apenas 3% dos votos, Macron obteve 23,86%, enquanto Le Pen conquistou 21,43%.

Macron e Le Pen disputarão a presidência na segunda volta, dentro de duas semanas, a 7 de maio. Em terceiro lugar ficou o conservador François Filon, com 19,94%, enquanto Jean-Luc Mélenchon (esquerda) obteve 19,62% dos votos.

O socialista Benoît Hamon obteve uma derrota histórica para o seu partido, com 6,35% dos votos.

O candidato liberal já recebeu o apoio de outros candidatos presidenciais derrotados e, de acordo com projeções, Macron irá derrotar a candidata de extrema-direita com mais de 60% dos votos.