Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Eleições gerais em Angola a 23 de agosto

João Lourenço é o candidato presidencial do MPLA e o mais que provável sucessor de José Eduardo dos Santos

AMPE ROGERIO / AFP / Getty Images

Reunião do Conselho da República aprovou por unanimidade a proposta do Presidente José Eduardo dos Santos. Oposição concorda com a data escolhida

Os líderes dos principais partidos da oposição angolana, UNITA e CASA-CE, concordaram esta segunda-feira com a data de 23 de agosto para a realização de eleições gerais, apelando para que sejam "livres, justas e transparentes".

A posição foi expressa no final da reunião do Conselho da República, que aprovou por unanimidade a proposta do Presidente de Angola José Eduardo dos Santos para a realização de eleições gerais no dia 23 de agosto deste ano.

Em declarações à imprensa, o líder da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) Isaías Samakuva referiu que estão criadas as condições para que o Presidente possa convocar eleições, na data sugerida e aceite pelos membros do Conselho da República.

Segundo Samakuva, as condições de forma geral estão criadas, mas foi chamada atenção, durante o encontro, para aspetos que precisam ainda ser resolvidos até ao ato eleitoral.

A UNITA tem insistido na necessidade de uma auditoria independente à base de dados dos mais de 9,4 milhões de eleitores registados no processo de atualização, concluído a 31 de março.

Por sua vez, o líder da Convergência Ampla de Salvação de Angola – Coligação Eleitoral (CASA-CE) Abel Chivukuvuku disse que foi recomendada unanimemente pelo Conselho da República que sejam convocadas as eleições gerais, mas também admitiu que há ainda "grande preocupação e desafio para todos".

"Isso também foi abordado durante a reunião. É trabalharmos todos no sentido de garantir que tenhamos em agosto eleições livres justas e transparentes, que possam, não só, orgulhar todos angolanos, mas sobretudo refletir a vontade do cidadão expressa no voto", avançou.

Já o vice-presidente do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA) João Lourenço sublinhou a importância da anuência dos membros do Conselho da República ao Presidente para a convocação de eleições gerais em agosto.

Lourenço, candidato do partido no poder à sucessão de José Eduardo dos Santos, frisou ainda o apelo feito pelo Presidente de Angola à tolerância e ao civismo, para que as eleições decorram da melhor forma possível, destacando a necessidade de se assegurar que angolanos "possam exercer pacificamente o seu direito de votar" em agosto.