Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Suspeito do atentado contra autocarro do Borussia Dortmund é um especulador que “queria fazer dinheiro”

SASCHA SCHUERMANN

Autoridades alemãs já acusaram formalmente um alemão de 28 anos com dupla nacionalidade russa por detonar explosivos à passagem do autocarro da equipa alemã na semana passada, no dia em que o Dortmund ia disputar os quartos final da Liga dos Campeões com o Mónaco

A polícia alemã acusou formalmente um homem de 28 anos, com dupla nacionalidade alemã e russa, pelo atentado contra o autocarro do Borussia Dortmund a 11 de abril, 90 minutos antes de a equipa de futebol alemã defrontar o Mónaco na primeira mão dos quartos de final da Liga dos Campeões.

O homem, identificado apenas como Sergej W, não tem quaisquer ligações a grupos radicais jiadistas ou à extrema-direita, pelo contrário, é um especulador financeiro que pretendia forçar a queda dos preços das ações da equipa alemã para fazer dinheiro, avançou a procuradoria esta sexta-feira de manhã.

No dia do ataque, Sergej W estava instalado num quarto de hotel com vista para a rua onde os dois explosivos foram detonados à passagem do autocarro da equipa. Um agente da polícia e um jogador, o internacional espanhol Marc Bartra, ficaram feridos no ataque. Bartra teve de ser submetido a uma cirurgia ao pulso e o agente teve de receber apoio psicológico.

A polícia começou por lidar com o caso como se se tratasse de um atentado terrorista, após a descoberta de uma carta no local do crime em que que o autoproclamado Estado Islâmico (Daesh) reivindicava a ação. No dia a seguir às explosões, um iraquiano de 25 anos foi detido para interrogatório por causa de "ligações islamitas" mas, ao longo da semana seguinte, os investigadores começaram a ter "dúvidas significativas" sobre as potenciais motivações jiadistas do ataque.

A carta encontrada no local das explosões, avançou então a polícia, parecia ter como objetivo enganar e desorientar as autoridades, com analistas a indicarem que o esquema poderia ter sido orquestrado pela extrema-direita alemã, no passado responsável por ameaças de morte a elementos do Borussia Dortmund.

Num comunicado divulgado esta sexta-feira, a procuradoria federal alemã informa que o homem de 28 anos foi detido esta madrugada e imediatamente acusado de tentativa de assassínio, depois de ter sido apurado que comprou 15 mil ações da equipa de futebol e que tentou ganhar dinheiro com elas no rescaldo do ataque, através de uma morada de IP registada no hotel L'Arrivée, onde os jogadores do Borussia também estavam instalados.

Na sequência das explosões, as ações em bolsa da equipa caíram de 5,738€ para 5,421€. Depois de uma ligeira recuperação, o preço de cada ação voltou a cair depois de o Mónaco ter eliminado os alemães da Liga dos Campeões, esta semana.