Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Ahmadinejad impedido de se candidatar às eleições no Irão

Pool

Lista final dos candidatos às eleições presidenciais de 19 de maio vai ser anunciada pelo Conselho dos Guardiões na próxima semana. Candidaturas do atual Presidente reformista Hassan Rouhani e do conservador Ebrahim Raisi já foram aprovadas

O ex-Presidente do Irão Mahmoud Ahmadinejad não foi autorizado a candidatar-se às eleições presidenciais do próximo mês, noticiam esta manhã os media do país. O homem que chefiou o governo iraniano entre 2005 e 2013, grande crítico do Ocidente, tinha anunciado a intenção de se recandidatar ao cargo há uma semana, contra as diretivas do supremo líder do Irão, o aiatola Ali Khamenei.

Esta sexta-feira, o Conselho dos Guardiões, um organismo religioso responsável por aprovar e vetar os candidatos eleitorais, chumbou o seu nome e também o do seu grande aliado Hamid Baghaie. Pelo contrário, as candidaturas do atual Presidente, o reformista Hassan Rouhani, e do conservador Ebrahim Raisi já foram aprovadas.

A lista final de candidatos às eleições de 19 de maio vai ser anunciada a 27 de abril, depois de mais de 1600 indivíduos se terem inscrito junto do Conselho; desses serão escolhidos apenas seis.

As candidaturas do conservador Ebrahim Raisi (primeiro da segunda fila) e do atual Presidente, Hassan Rouhani (último da segunda fila), já foram aprovadas

As candidaturas do conservador Ebrahim Raisi (primeiro da segunda fila) e do atual Presidente, Hassan Rouhani (último da segunda fila), já foram aprovadas

ATTA KENARE

As pré-nomeações de Rouhani e de Raisi fazem antever uma corrida renhida entre duas fações políticas totalmente opostas. O primeiro é Presidente do Irão desde 2013, ano em que venceu as eleições com maioria depois de ter feito campanha pelo fim do isolamento diplomático do país e a favor de maiores liberdades e garantias sociais.

Dois anos depois de ser eleito, Rouhani alcançou com o P5+1 (China, França, Rússia, Reino Unido, EUA + Alemanha) um histórico acordo nuclear, sob o qual aceitou suspender grande parte das atividades nucleares do país em troca do fim das sanções económicas aplicadas pela comunidade internacional em anos anteriores, quando havia suspeitas de que Teerão estava a tentar desenvolver armas nucleares.

Diz-se que o conservador Raisi, que se afigura o principal rival de Rouhani na corrida, goza do apoio do aiatola Khamenei graças à sua posição intransigente e ao facto de ser um seyed, ou seja, um descendente do profeta Maomé.

Antecipa-se que os dois principais candidatos centrem as suas campanhas no estado da economia iraniana e no acordo nuclear com o Ocidente, que foi a maior vitória alcançada por Rouhani neste primeiro mandato e que está atualmente a ser revisto pela administração norte-americana de Donald Trump.