Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

OMS declara um “enorme progresso” no combate às doenças tropicais

Margaret Chan, diretora geral da OMS durante a reunião em Genebra que atualizou os dados sobre a Declaração de Londres das Doenças Tropicais Negligenciadas

SALVATORE DI NOLFI / EPA

A Organização Mundial de Saúde lança esta quarta-feira um relatório sobre o progresso do combate às “doenças tropicais negligenciadas”. São dez terríveis doenças que ajudam a perpetuar o ciclo de pobreza ao afetarem mil milhões de pessoas nos países mais pobres do mundo

Cristina Peres

Cristina Peres

Jornalista de Internacional

Cinco anos após uma determinante reunião em Londres em que se declarou guerra a dez doenças tropicais negligenciadas, a Organização Mundial de Saúde (OMS) anuncia o "progresso fenomenal" da operação num relatório publicado esta quarta-feira.

Ao projeto lançado naquela reunião de há cinco anos associou-se um grande número de doadores internacionais e 13 das maiores firmas farmacêuticas mundiais. O objetivo era ajudar a controlar ou eliminar dez daquelas doenças até 2020. Entretanto, foram doados sete milhões de tratamentos que contribuíram para a diferença agora registada, desde que a operação entrou em vigor, em 2012, escreve o diário digital Espresso da revista "The Economist".

Em 2015, um milhão de pessoas recebeu tratamento a pelo menos uma doença tropical. Segundo a BBC, a OMS adianta que a melhoria da qualidade da água e das condições sanitárias foram fundamentais para o progresso da situação.

As doenças deste grupo incluem cegueira dos rios, elefantíase e a doença do sono e os números apurados revelam que 170 mil pessoas morrem todos os anos de uma destas doenças. No entanto, o seu maior impacto na população é tornar os portadores das doenças deficientes. A incidência deste grupo de doenças diminuiu em todos os casos e, no da filariose linfátia (contágio por mosquito que provoca o inchaço dos membros), a população afetada reduziu um terço para mil milhões de pessoas.

O progresso na luta contra a doença do sono (doença parasitária que pode ser mortal) é também digno de nota, uma vez que o número de novos casos está atualmente reduzido a 3.000, declarou à BBC Bill Gates enquanto representante da Fundação Bill e Melinda Gates, um dos doadores, durante um encontro em Genebra onde foram acordados novos compromissos no valor de €761 mil milhões entre governos, empresas farmacêuticas e associações de caridade.

Cinco das dez doenças que são objeto deste programa são combatidas com programas de distribuição de medicamentos de larga escala, que requerem rigorosa coordenação na distribuição e avaliação dos resultados.