Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

EUA tinham informações antecipadas sobre o teste do míssil norte-coreano

Michael Pence em homenagem aos mortos à chegada a Seul para uma visita de três dias

Chung Sung-Jun / EPA

Os Estados Unidos anteciparam o teste do lançamento de míssil pela Coreia do Norte que falhou. Conselheiro que viajou com Michael Pence para conversações na Coreia do Sul disse que o Comando norte-americano do Pacífico tinha conhecimento da manobra

Cristina Peres

Cristina Peres

Jornalista de Internacional

"Tínhamos boas informações antes do lançamento e boas informações depois do lançamento", revelou à imprensa um consultor norte-americano de política externa que viajou para Seul com o vice-presidente Michael Pence no Airforce 2 para conversações com o vizinho do Sul sobre o cada vez mais ameaçador programa de armamento de Pyongyang.

O míssil foi lançado um dia após a demonstração de poder em parada na capital norte-coreana durante as comemorações do 105º aniversário do fundador da nação e "explodiu quasse de imediato", informou o comando norte-americano do Pacífico, horas antes de Michael Pence ter aterrado na Coreia do Sul, reporta a agência Reuters.

"É um teste falhado a seguir a um teste falhado. Por isso não precisamos de reforçar o insucesso", disse o mesmo consultor, que manteve o anonimato, relativamente ao voo do míssil que não ultrapassou "quatro ou cinco segundo", cita a Reuters.

O lançamento falhado a partir da costa oriental da Coreia do Norte tinha ignorado os avisos feitos pelas autoridades da China, o seu maior aliado.

Michael Pence deu agora início em Seul a uma viagem de dez dias à Ásia que os seus assessores classificaram como um sinal de apoio dos EUA com os seus aliados asiáticos face à ameaça da Coreia do Norte. A Coreia do Sul tem atualmente no seu território 28.500 soldados norte-americanos.

A caminho da península coreana está também o porta-aviões nuclear USS Carl Vinson com a sua força de ataque.