Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Polónia admite prender migrantes na fronteira

KACPER PEMPEL/REUTERS

O ministro da Administração Interna polaco admite copiar exemplo da Hungria em matéria de detenção de refugiados na fronteira

Miguel Rebocho Pais

O ministro da Administração Interna da Polónia admitiu que está a ser estudada legislação para criar campos de detenção na fronteira para refugiados vindos de África e do Médio Oriente. “A minha tarefa é assegurar a segurança dos polacos. Temos de estar preparados para um mau cenário como uma onda de migração que poderá varrer a Polónia”, afirmou Mariusz Blaszczak em entrevista à televisão estatal, citada pela agência Reuters.

A Polónia recebeu no ano passado cerca de 12.300 pedidos de asilo, segundo as estatísticas do Conselho Europeu dos Refugiados e Exilados. Número que é menos de metade dos pedidos de asilo registados na Hungria (29.432), país que aprovou em março uma medida semelhante, e que Blaszczak fez questão de elogiar como um exemplo a seguir.

A comparação com o modelo húngaro feita pelo ministro foi ainda mais longe: quando questionado por uma rádio polaca sobre a possibilidade de alojar migrantes em contentores protegidos por arame farpado, o Blaszczak respondeu que essa é “uma ideia, para uma situação de emergência e que resultou bem na Hungria.”

Blaszczak argumentou que existe um risco de segurança para a Polónia se for seguido o plano de acolhimento e distribuição de requerentes de asilo que a União Europeia estabeleceu. O ministro afirmou que “não houve ataques terroristas na Polónia porque desistimos de uma decisão tomada pelo anterior Governo, de aceitar milhares de refugiados.”