Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Bashar al-Assad garante que não tem armas químicas

JOSEPH EID/GETTY IMAGES

Em entrevista, Assad insiste que o alegado ataque com armas químicas em Khan Sheikhoun foi “totalmente encenado” e serviu como “pretexto” para justificar ataques norte-americanos contra o exército sírio

Helena Bento

Jornalista

O presidente sírio, Bashar al-Assad, garantiu ontem que não tem armas químicas e que a acusação de ter recorrido a esse tipo de armamento em Khan Sheikhoun, na província de Idlib, é uma “encenação" para justificar os ataques dos EUA. Exige por isso uma investigação imparcial sobre o bombardeamento com armas químicas ocorrido a 4 de abril que matou pelo menos 87 pessoas.

Na quarta-feira, em entrevista exclusiva à agência francesa France-Presse, o Presidente sírio quebrou o silêncio e afirmou que não tem “armas químicas há vários anos”. Assad salientou que “todo o arsenal químico foi entregue” em 2013 no âmbito de um acordo entre os EUA e a Rússia. Um acordo obtido pouco depois de um ataque em Goutha, nos subúrbios de Damasco, de que resultou a morte de centenas de pessoas e foi atribuído ao regime.

Mas “mesmo que tivéssemos tais armas”, insistiu o Presidente sírio na entrevista à AFP, “nunca as teríamos usado”.

Na opinião de Bashar al-Assad, o ataque químico em Khan Sheikhoun foi “totalmente encenado” e serviu como “pretexto” para justificar os ataques norte-americanos contra o exército sírio.

Assad é acusado de ser o responsável pelo bombardeamento. Tanto o regime sírio como a Rússia negam, contudo, quaisquer responsabilidades. Segundo Moscovo, os aviões do regime terão atingido um depósito de armas dos “terroristas” onde se encontrava uma fábrica de produção de armas “tóxicas”, causando assim a libertação de agentes químicos. Também o exército sírio negou categoricamente o uso de “substâncias químicas ou tóxicas em Khan Sheikhou ou noutro lugar qualquer, no passado, no presente ou no futuro”.

Durante a entrevista à AFP, Bashar al-Assad chega inclusive a pôr em causa que o ataque tenha acontecido. “Hoje em dia, há muitos vídeos falsos a circular. Não sabemos se estas crianças que vemos nas imagens foram mortas em Khan Sheikhun. E será que elas morreram mesmo?”, questiona o Presidente.

Três dias após o bombardeamento com armas químicas, o Presidente norte-americano Donald Trump ordenou um ataque de retaliação contra uma base aérea síria em Homs . De acordo com o Pentágono, foram lançados pelo menos 59 mísseis de cruzeiro Tomahawk de navios de guerra no Mediterrâneo contra a base aérea al-Shayrat, de onde se pensa ter partido o alegado ataque com armas químicas.

  • “A nossa prioridade já não é ficarmos sentados a estudar como vamos derrubar Assad”

    Muitas perguntas e poucas respostas depois de Trump ter ordenado o primeiro ataque oficial contra as forças sírias desde o início da guerra. Aliados estão ao lado de Washington e a Rússia, aliada de Assad, está furiosa. Na rádio estatal russa já se fala de um “evento que pode alterar o curso da História”. Ao Expresso, o arabista António Dias Farinha não se aventura em previsões catastróficas e diz que, para já, uma das consequências pode ser o Daesh ganhar novo fôlego

  • “Um evento que pode alterar o curso da História”. Reações ao ataque dos EUA à Síria

    Donald Trump ordenou um ataque com mísseis a uma base aérea das forças sírias de Bashar al-Assad em Homs para destruir o seu arsenal, na sequência do ataque com armas químicas que, na quarta-feira, matou mais de 80 civis, incluindo dezenas de crianças. A Rússia aliada de Assad diz que o ataque "viola a lei internacional", que foi "preparado antes dos eventos em Idlib" e lançado "sob um pretexto inventado". Fallon, Hollande e Merkel apoiam a decisão dos americanos

  • Porta-voz de Putin diz que ataque dos EUA à Síria foi lançado “sob pretexto inventado”

    Bashar al-Assad ainda não reagiu ao ataque com mísseis ordenado por Donald Trump contra uma base aérea em Homs — a primeira vez que a Casa Branca dá ordens diretas para atacar as forças leais ao Presidente sírio desde o início da guerra em 2011. Moscovo fala numa "violação da lei internacional", um ataque que "viola a soberania de uma nação da ONU" e que foi "preparado antes dos eventos em Idlib"