Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Autor do atentado de Estocolmo anunciou em chat intenção de atropelar pessoas

Marcelo Baptista

Na véspera do ataque, foi partilhada uma mensagem num “chat” de simpatizantes do Daesh: “Amanhã à tarde quero encontrar um veículo grande para atropelar gente”

O cidadão uzbeque que na sexta-feira atropelou com um camião várias pessoas em Estocolmo, matando quatro, anunciou na véspera do ataque a sua intenção de o realizar. A mensagem circulou num "chat" de simpatizantes do autodenominado Estado Islâmico (Daesh).

Segundo o 'site' russo Politonline, o autor do ataque, de 39 anos, comunicou com outros radicais antes e depois da realização do atentado, através do serviço de mensagens encriptadas Telegram.

O Politonline publicou extratos das conversas, que indicam que o uzbeque anunciou a sua intenção de roubar um "veículo grande" para usar como arma.

"Amanhã à tarde quero encontrar um veículo grande para atropelar gente", escreveu na quinta-feira no "chat", que, segundo a agência noticiosa espanhola EFE, é frequentado sobretudo por tajiques que simpatizam com o Estado Islâmico.

O homem pergunta também "como fazer uma bomba" e diz que já tem "fósforos, acetona, isqueiros e parafusos".

A conversa continua na sexta-feira, horas depois do atentado numa rua pedonal da capital sueca, que causou também 15 feridos, nove dos quais continuam hospitalizados, sendo que dois se encontram nos cuidados intensivos.

À pergunta de "como estás", o uzbeque responde: "mal, atropelei uns quantos no centro de Estocolmo, o carro deu uma guinada".

Diz que gravou um vídeo do ataque e que está no aeroporto, pretendendo "escapar" da Suécia, pedindo-lhe o interlocutor para divulgar as imagens no "chat".

Apesar de, segundo estas mensagens, se encontrar no aeroporto, o uzbeque foi detido na sexta-feira numa loja num subúrbio de Marsta, segundo o diário sueco Aftonbladet.

De acordo com vários media suecos, o alegado terrorista confessou a sua culpa e a sua pertença ao grupo Estado Islâmico.

Os jornais “Aftonbladet” e o “Expressen” indicam que o nome do detido é Rakhmat Akilov, que as autoridades confirmam ter chegado ao país em 2014. Dois anos depois foi-lhe recusado asilo e era alvo de uma ordem de expulsão desde finais de fevereiro.