Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

O olhar de um português em Estocolmo. “Temo mais clivagens na Suécia”

A primeira recolocação de 20 eritreus - de Itália para a Suécia - aconteceu na passada sexta-feira

ANDREAS SOLARO/GETTY IMAGES

Ex-professor universitário a viver na capital sueca há 53 anos fala de uma sociedade generosa mas que tem vindo a tornar-se menos recetiva aos refugiados. O atentado desta sexta-feira pode fazer ruir tudo

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

A viver na Suécia desde os 20 anos, Amadeu Batel tem acompanhado de perto a luta das minorias étnicas naquele país. E não tem dúvidas de que o atentado desta tarde em Estocolmo vai fazer aumentar as clivagens de uma sociedade que se tem tornado "menos generosa" para os que chegam de fora.

"Não auguro nada de bom. Temo que a onda securitária ganhe terreno em detrimento da perspetiva dos direitos dos refugiados", diz o português de 73 anos que preside à Federação das Associações Portuguesas daquele país escandinavo.

As intenções de voto no partido da extrema-direita são hoje próxima dos 20% e os partidos mais à direita do chamado "arco da governação" parecem menos interessados no consenso do que no passado recente. "Aqui também temos a geringonça, composta por um partido social-democrata, os verdes e os ex-comunistas", conta. Mas que corre o risco de ruir a qualquer momento, já que não têm maioria parlamentar e a votação do orçamento de Estado está próxima.

Amadeu Batel frisa que vive no país que em 2015 recebeu 173 mil refugiados e que tem um dos maiores rácios per capita da Europa no acolhimento de migrantes. "Hoje, um terço da população é de origem estrangeira". Mas a retórica política das últimas décadas que defende o diálogo intercultural parece estar a desvanecer-se.

"A islamofobia cresce e o Islão tem sido usado como bode expiatório para muitos dos problemas dos suecos, tal como acontece noutras capitais europeias", lembra. E acrescenta: "A sociedade está a virar-se para a extrema-direita."

Neste momento vivem perto de 7 mil pessoas com ascendência portuguesa na Suécia, que não são o alvo da onda de xenofobia. "Os migrantes do Afeganistão, Síria, Eritreia, Somália e que vivem em bairros periféricos são os visados pelas críticas da extrema-direita."