Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

NATO responsabiliza regime sírio pelo ataque norte-americano

EMMANUEL DUNAND/GETTY IMAGES

A organização considera que o uso de armas químicas é "uma ameaça à paz internacional e à segurança", que não pode ser ignorada. “Os responsáveis têm de ser responsbilizados”, afirma o seu presidente, Jens Stoltenberg

A NATO considera que o regime sírio "tem total responsabilidade" pelos ataques dos Estados Unidos contra a base de Shayrat, na Síria. O uso de armas químicas é "uma ameaça à paz internacional e à segurança", afirma o presidente da organização, Jens Stoltenberg, acrescentando que a NATO apoia todos os esforços internacionais "que visem atingir a paz e uma solução política na Síria".

"O governo sírio tem total responsabilidade por essa consequência", diz Stoltenberg num comunicado divulgado esta sexta-feira, a propósito do ataque norte-americano. "Qualquer uso de armas químicas é inaceitável e não pode ser ignorado", lê-se na mesma nota, onde é sublinhado que "os responsáveis têm de ser responsbilizados".

As autoridades de Damasco reconheceram ter realizado o bombardeamento contra a localidade, mas negaram categoricamente ter usado armas químicas.

Na versão do regime de Bashar al-Assad, o ataque atingiu um depósito de armas químicas da Frente Al-Nosra, contrabandeadas para a província de Idleb a partir da fronteira com o Iraque e a Turquia, e que foram escondidas em zonas residenciais de Khan Cheikhun.

A ONU confirmou que pelo menos 70 pessoas morreram e mais de 200 ficaram feridas.

O Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH, oposição), com sede em Londres, elevou o número de mortos para 86 e a Defesa Civil Síria, também conhecidos como "Capacetes Brancos", fala em mais de 300 feridos.

  • “Um evento que pode alterar o curso da História”. Reações ao ataque dos EUA à Síria

    Donald Trump ordenou um ataque com mísseis a uma base aérea das forças sírias de Bashar al-Assad em Homs para destruir o seu arsenal, na sequência do ataque com armas químicas que, na quarta-feira, matou mais de 80 civis, incluindo dezenas de crianças. A Rússia aliada de Assad diz que o ataque "viola a lei internacional", que foi "preparado antes dos eventos em Idlib" e lançado "sob um pretexto inventado". Fallon, Hollande e Merkel apoiam a decisão dos americanos

  • EUA atacam base militar na Síria

    Ofensiva foi ordenada por Trump e surge como resposta ao ataque químico que na terça-feira matou 86 civis na Síria e que os EUA acreditam ter sido da responsabilidade do governo de Bashar al Assad, apesar deste o ter negado por várias vezes