Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Tabaco causa uma em cada dez mortes em todo o mundo

BEAWIHARTA/REUTERS

Um novo estudo publicado numa revista académica alerta para o aumento do número de fumadores à escala global. Eram mil milhões em 2015

Miguel Rebocho Pais

A publicação de um estudo na revista médica britânica “The Lancet” revela que, no ano de 2015, uma em cada dez mortes no planeta era causada pelo consumo de tabaco. Segundo o artigo científico, um em cada quatro homens era, nesse ano, fumador frequente. O valor é menos acentuado no caso das mulheres, com uma em cada 20. No total, cerca de mil milhões de pessoas fumavam tabaco.

A análise contemplou os hábitos de 195 países entre 1990 e 2015. No último ano analisado, atribuíram-se 6,4 milhões de mortes ao tabagismo. Mais de metade das mesmas registaram-se em apenas quatro países: a China, a Índia, os Estados Unidos e a Rússia. Desde o início do estudo, o número de mortes devido ao consumo de tabaco aumentou 4,7%.

Apesar dos esforços no combate ao consumo de cigarros, o estudo explica que o aumento da população global foi acompanhado por um crescimento do número de fumadores. Além deste fator, o documento menciona ainda o perigo de um aumento na mortalidade devido às agressivas táticas de marketing levadas a cabo pela indústria do tabaco, que pretende explorar novos segmentos do mercado, sobretudo nos países em desenvolvimento.

Uma das autoras do estudo, Emmanuela Gakidou, explicou à BBC que “fumar continua a ser o segundo maior fator de risco de morte precoce e deficiência”. Por isso, “para reduzir o seu impacto, temos de aumentar o controlo do tabaco, reduzindo assim a prevalência do tabagismo e o seu fardo”, afirmou.

Dados da Eurostat estimavam que, em 2014, um em cada cinco portugueses com mais de 15 anos fumava (um número abaixo da média europeia). Segundo o mais recente relatório da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre o tema, em 2013 contabilizaram-se 12.357 mortes de portugueses devido ao tabaco. O número representa cerca de 11% dos óbitos totais desse ano, valor que vai de encontro às estatísticas agora apresentadas pelo estudo britânico. A publicação da DGS refere ainda que, no caso português, fumar representa mesmo a causa de morte mais frequente em ambos os sexos. O consumo de tabaco está origem de doenças fatais como o cancro, doenças respiratórias crónicas e doenças do aparelho circulatório.