Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Estados americanos tentam travar recuo de Trump na política ambiental

O procurador-geral de Nova Iorque, Eric Schneiderman, constesta a ordem executiva de Trump

Spencer Platt/GETTY

Nova Iorque lidera a coligação de 17 estados que estão a contestar legalmente a tentativa de desregulamentação das emissões poluentes das centrais elétricas

“A lei é clara, a Agência de Proteção Ambiental (APA) deve limitar a poluição de carbono das centrais elétricas”, afirmou o procurador-geral de Nova Iorque, Eric Schneiderman, sobre a contestação legal apresentada na quarta-feira por 17 estados norte-americanos.

Na semana passada, o Presidente Donald Trump assinou uma ordem executiva destinada a recuar relativamente à regulamentação imposta pelo seu antecessor Barack Obama nesta matéria, em especial no que diz respeito ao Plano de Centrais Elétrica Limpas.

Trump afirmou que as regulamentações de Obama limitam a produção de energia norte-americana e a criação de empregos sem trazer benefícios significativos.

A lei em causa, que obriga os estados a reduzirem as emissões de dióxido de carbono das suas centrais elétricas, nunca chegou sequer a ser aplicada por ter sido contestada em 26 estados geridos por republicanos.

Trump ordenou agora que a APA a “suspenda, rescinda, ou reveja”.

Na quarta-feira os 17 estados solicitaram ao tribunal que anule a ordem executiva, considerando que “seriam desperdiçados recursos significativos” no litígio. “Este caso já está pronto para se chegar a uma decisão e nenhuma das propostas da APA aponta para a necessidade do tribunal fazer uma revisão”, podia ler-se na declaração divulgada na quarta-feira.

A coligação conta com procuradores gerais da Califórnia, Connecticut, Delaware, Havai, Ilinois, Iowa, Maine, Maryland, Massachusetts, Minesota, Novo México, Oregon, Rhode Island, Virgina e Washington e ainda do distrito de Columbia e de uma série de localidades mais pequenas.