Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Síria: sobe para 86 o número de mortos em alegado ataque químico

AMMAR ABDULLAH/ Reuters

“Há 30 crianças e 20 mulheres entre as vítimas”, um balanço mais elevado devido à morte de feridos graves, precisouObservatório sírio dos direitos humanos

O balanço do alegado ataque químico contra a povoação síria de Khan Cheikhoun eleva-se a 86 mortos, segundo um novo cálculo divulgado esta quarta-feira pele Observatório sírio dos direitos humanos (OSDH).

O balanço precedente do Observatório sobre o ataque de terça-feira referia-se a 72 mortos, incluindo 20 crianças e 17 mulheres, e 160 feridos.

"Há 30 crianças e 20 mulheres entre as vítimas", um balanço mais elevado devido à morte de feridos graves, precisou esta noite a OSDH.

Dezenas de pessoas, incluindo crianças, foram mortas num suposto 'raide' aéreo registado na terça-feira sobre Khan Cheikhoun, um bastião rebelde e 'jihadista' do noroeste sírio.

Segundo médicos no local, os sintomas revelados pelos pacientes são semelhantes aos registados nas vítimas de ataques químicos, designadamente pupilas dilatadas, convulsões e espuma saindo da boca.

O ataque impeliu diversos países ocidentais a questionarem o regime de Bashar al-Assad. Damasco continua a negar qualquer envolvimento no ataque, enquanto Moscovo considerou "inaceitável" um projeto de resolução apresentado na ONU por Estados Unidos, França e Reino Unido, que condena o ataque de terça-feira.

No decurso de uma reunião de urgência do Conselho de Segurança (CS), a embaixadora dos Estados Unidos, Nikki Haley, fustigou a Rússia por não ter conseguido "moderar" o seu aliado sírio, ao interrogar-se de "quantas crianças vão ainda morrer antes que a Rússia se preocupe?".

A representante do Washington também assegurou que Washington tomará medidas unilaterais na Síria caso a ONU não opte por uma resposta ao alegado ataque químico.