Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Cheias na Colômbia. Número de mortos continua a subir

COLOMBIAN ARMY / HANDOUT

As inundações ocorreram no sábado, depois de um forte aguaceiro que fez transbordar o rio Mocoa e os seus afluentes Sangoyaco e Mulatos. A Direção Nacional dos Bombeiros da Colômbia fala em 193 mortos e 203 feridos. Foi declarado o estado de emergência na cidade. O Papa Francisco disse estar “profundamente afetado” com o que aconteceu e transmitiu a sua solidariedade a todos aqueles que perderam familiares e amigos

Helena Bento

Jornalista

De acordo com o mais recente balanço da Direção Nacional dos Bombeiros da Colômbia, morreram 193 pessoas e outras 203 ficaram feridas na sequência dos deslizamentos de terras em Mocoa, no sul da Colômbia, provocados por chuvas torrenciais. A Cruz Vermelha Colombiana fala em 234 mortos e 220 feridos.

As inundações ocorreram no sábado, depois de um forte aguaceiro que começou na noite de sexta-feira e fez transbordar o rio Mocoa e os seus afluentes Sangoyaco e Mulatos, deixando centenas de habitações cheias de lama em 17 bairros. A cidade ficou “totalmente isolada”, sem água e sem eletricidade, o que obrigou à suspensão das operações de socorro por parte das equipas de emergência enviadas para o local. De modo a agilizar as operações de resgate às vítimas, foi decretado o estado de emergência na região. Há um número indeterminado de desaparecidos, o que significa que o número de vítimas pode ainda aumentar.

Em visita no sábado à zona afetada, Juan Manuel Santos explicou que a precipitação que caiu em Mocoa representa cerca de 45% da chuva normal para um mês. Na sua conta na rede social Twitter, o Presidente colombiano informou que “toda a capacidade do Estado está direcionada para o apoio à ajuda humanitária, à busca e resgate”.

Foram enviados medicamentos e material cirúrgico para o hospital de Mocoa, que não estaria preparado para lidar com uma tragédia desta dimensão, refere a Associated Press. A Força Aérea colombiana transportou 19 pessoas para um hospital de outra cidade. Espera-se que mais 20 pessoas sigam o mesmo destino, entretanto.

Em visita pastoral a Capri, no norte de Itália, uma zona que foi afetada por fortes terramotos em 2012, o Papa Francisco disse estar “profundamente afetado” com o que aconteceu na Colômbia. Durante a oração do Angelus, o Papa transmitiu a sua solidariedade a todos aqueles que perderam familiares e amigos no deslizamento de terras e agradeceu aos que estão a ajudar a população atingida. “Rezo por todas as vítimas”, disse o pontífice, citado pela agência Lusa.

Também a chanceler alemã Angela Merkel expressou o seu pesar pelo sucedido. Em comunicado, Merkel apresentou as suas condolências a Juan Manuel Santos e manifestou-se “consternada pelo enorme sofrimento” dos habitantes de Mocoa e pelas imagens de destruição de alguns bairros da cidade.