Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

40 pessoas assistiram a violação no Facebook Live. E não fizeram queixa

Jovem de 14 anos detido em Chicago mas poderá não ser o único suspeito do crime. Nos EUA, não é o primeiro crime grave a ser partilhado através do Facebook Live. Em Portugal não há registo de casos

Hugo Franco

Hugo Franco

Jornalista

Um rapaz de 14 anos foi detido pela polícia de Chicago, dias depois da transmissão de um vídeo no Facebook Live que mostra a violação em direto a uma jovem de 15 anos.

Segundo as autoridades norte-americanas, o suspeito é "o primeiro de vários jovens agressores" a ser indiciado pelos crimes de agressão sexual, fabrico de pornografia infantil e disseminação de pornografia infantil.

Deverá haver por isso mais prisões em breve até porque, segundo a CNN, os investigadores suspeitam que o grupo seria constituído por mais seis pessoas.

A vítima estava dada como desaparecida desde a tarde de 19 de março. Na manhã seguinte a mãe assistiu ao vídeo e alertou as autoridades, que agiram de imediato.

Pelo menos 40 pessoas assistiram às imagens e nenhuma fez queixa do crime. O superintendente da polícia de Chicago, Eddie Johnson, afirmou ter ficado "visivelmente perturbado" depois de ver o vídeo, tanto pelo conteúdo do mesmo, como pelo facto de "nenhum dos 40 ou mais espetadores em direto ter ligado para as autoridades".

Na altura, a rapariga foi assistida no hospital e encontra-se atualmente num local não identificado.

Este não é o primeiro caso de um crime grave a ser transmitido através da plataforma Facebook Live. Em janeiro, também em Chicago, um grupo de rapazes filmou a agressão a um homem com deficiência, que estava amarrado e amordaçado. Em Portugal, não há registo de casos semelhantes