Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Jovem morre no Paraguai em manifestação contra o Governo

Capital do Paraguai tem sido palco de distúrbios entre manifestantes e a polícia. Em causa uma emenda na Constituição que permite a reeleição do Presidente

Um jovem morreu, atingido por disparos da polícia, em Assunção, no Paraguai, durante os distúrbios que levaram a confrontos entre manifestantes e forças policiais, informou hoje o presidente do Partido Liberal Radical Auténtico (PLRA), Efraín Alegre.

O político disse que a polícia entrou "de forma bárbara" na sede do partido, no centro da cidade, disparou contra os manifestantes que se encontravam no interior do edifício, e vários ficaram feridos com gravidade.

Um dos manifestantes, um jovem militante liberal, foi transportado para o hospital onde acabou por morrer, relatou.

Efraín Alegre lidera a oposição à alteração da Constituição do país para permitir a reeleição do Presidente do Paraguai, Horacio Cartes, posição que levou a manifestações e confrontos com a polícia na capital do país, desde a tarde de sexta-feira.

Resultado dos distúrbios que começaram no Congresso do Paraguai, dezenas de barricadas ardiam nas ruas do centro de Assunção, e a polícia dispersava os manifestantes, lançando granadas de gás lacrimogéneo e disparando balas de borracha.

Os incidentes começaram depois de 25 senadores, num total de 45, terem aprovado o projeto de revisão constitucional que permite a reeleição de Cartes. A Constituição paraguaia proíbe a reeleição presidencial.

A votação decorreu fora do plenário, nos gabinetes da Frente Guasú do ex-chefe de Estado Fernando Lugo e sem a presença dos restantes parlamentares, nem do presidente do Senado.

Os protestos mais violentos decorreram no Congresso (parlamento), onde centenas de opositores da emenda entraram no edifício, destruíram portas, barreiras e compartimentos e incendiaram alguns locais.

A revisão tem de ser ratificada hoje pela Câmara dos Deputados, onde o governo é maioritário.