Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Manuel Valls apoia candidatura de Macron à presidência de França

O ex-primeiro-ministro Valls (dta) preferiu apoiar o independente Macron (esq) em vez do candidato do seu Partido Socialista

PHILIPPE WOJAZER

O ex-primeiro-ministro francês argumenta que votar no centrista em vez de apoiar o candidato do seu partido é a atitude mais responsável

O ex-primeiro-ministro francês Manuel Valls anunciou esta quarta-feira que vai apoiar o centrista Emmanuel Macron em vez do candidato do seu próprio partido, o socialista Benoît Hamon, nas presidenciais francesas, cuja primeira volta será disputada a 23 de abril. "É uma questão de razão", disse Valls na televisão francesa.

De imediato, Macron, que mantém uma curta margem sobre a líder da extrema-direita nas sondagens de opinião, agradeceu o voto de confiança daquele que, há alguns meses, foi derrotado por Hamon nas primárias do Partido Socialista.

Questionado sobre porque é que não vai apoiar o candidato do seu próprio partido, Valls argumentou que votar em Macron é a coisa responsável a fazer, porque é o único que tem capacidades para derrotar a Frente Nacional de Marine Le Pen. "Não penso que se deva correr riscos pela República e portanto vou votar em Emmanuel Macron."

Na entrevista, o ex-primeiro-ministro do governo de François Hollande explicou ainda que se reuniu com deputados do PS na terça-feira à noite para explicar a sua posição antes de fazer o anúncio.

De acordo com as sondagens mais recentes, Macron, que abdicou do cargo de ministro da Economia do governo Hollande para criar o seu próprio movimento político, deverá disputar a segunda volta com Le Pen a 7 de maio.

A subida de popularidade do centrista deve-se, em parte, ao escândalo que rebentou em torno do candidato conservador d'Os Republicanos, François Fillon. Na terça-feira, as autoridades francesas abriram uma investigação formal à mulher de Fillon, Penelope, por suspeitas de abuso de poder; o aliado de Sarkozy é acusado de ter criado um emprego fictício para a mulher pago pelos contribuintes.