Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Antonio Tajani: “África corre o risco de tornar-se numa colónia chinesa”

ANDREAS SOLARO/GETTY

Presidente do Parlamento Europeu diz que os chineses só querem as matérias-primas de África. “A estabilidade não lhes interessa”, alerta

O continente africano, um dos principais parceiros económicos da China, "corre o risco agora de tornar-se uma colónia chinesa", disse o presidente do Parlamento Europeu, Antonio Tajani, na edição desta quarta-feira do jornal alemão “Die Welt”.

"A África arrisca a tornar-se hoje numa colónia chinesa, os chineses só querem as matérias-primas. A estabilidade não lhes interessa", afirmou Tajani.

As empresas chinesas estão a ter uma presença crescente em África há 20 anos, particularmente nos sectores dos recursos naturais. Em 2015, o comércio entre o continente africano e a China foi estimado em cerca de 160 mil milhões de euros.

Questionado sobre a crise migratória e do fluxo de requerentes de asilo africanos que tentam chegar à Europa, incluindo da Líbia para a Itália, Tajani exortou a UE "a investir vários milhares de milhões (em África) e desenvolver uma estratégia a longo prazo".

"A África está numa situação trágica (...), se não forem resolvidos os problemas centrais de África, dez, 20 ou mesmo 30 milhões de imigrantes irão chegar à Europa em dez anos", sublinhou o presidente do Parlamento Europeu.

Antonio Tajani disse que é a favor de estabelecer em África "campos de acolhimento sob proteção da ONU e das forças armadas europeias", numa espécie de "cidades temporárias com hospitais e infraestrutura para as crianças, onde as pessoas pudessem viver temporariamente".

Depois de fechar a rota migratória dos Balcãs em março de 2016, os europeus querem resolver o quebra-cabeça do Mediterrâneo central, mas enfrentam a relutância dos seus parceiros africanos e da falta de interlocutores na Líbia, de onde parte a maioria dos navios com migrantes.

De acordo com a organização não-governamental espanhola Pro-Activa Open Arms, cerca de 250 migrantes africanos terão morrido no naufrágio de dois botes insufláveis, na semana passada ao largo da costa da Líbia.