Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

IATA considera “inaceitável” proibição de computadores em aviões

“As alterações são uma solução inaceitável a longo prazo, independentemente das ameaças que tentem impedir”, considerou o diretor-geral da IATA, Alexandre Juniac

FABRICE COFFRINI/GETTY

Estados Unidos e Reino Unido proibiram no sábado computadores, tablets e outros dispositivos eletrónicos em alguns voos de países árabes e Turquia

A proibição de computadores em aviões imposta pelos Estados Unidos e Reino Unido a alguns voos de países árabes e Turquia “é inaceitável”, disse esta terça-feira o diretor-geral da Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), Alexandre Juniac.

As medidas, impostas sábado por Washington e Londres por risco de ataques terroristas, proíbem também 'tablets' e outros dispositivos eletrónicos.

“As alterações são uma solução inaceitável a longo prazo, independentemente das ameaças que tentem impedir”, disse Alexandre Juniac ao conselho das relações externas em Montreal.

Segundo Alexandre Juniac, mesmo a “curto prazo, é difícil de compreender a sua eficácia” e criam importantes distorções comerciais.

“Apelamos aos governos para trabalharem com a indústria para encontrar uma maneira de garantir a segurança dos voos sem privar os passageiros dos seus dispositivos eletrónicos pessoais”, acrescentou.

A diretiva dos Estados Unidos afeta voos de nove companhias aéreas de dez aeroportos internacionais em países árabes e Turquia.

Os oito países cujas empresas e os aeroportos estão em causa são aliados ou parceiros dos Estados Unidos e incluem a Turquia, a Jordânia, Egito, Arábia Saudita, Kuwait, Qatar, Emirados Árabes Unidos e Marrocos.

A proibição britânica atinge aviões da Turquia, Líbano, Jordânia, Egito, Tunísia e Arábia Saudita.

“A indústria teve de se organizar rapidamente para implementar as novas exigências. O que tem sido um desafio”, disse Alexandre Juniac, acrescentando que a IATA não recebeu qualquer informação prévia sobre o assunto.