Siga-nos

Perfil

Expresso

Internacional

Polícia britânica faz mais duas detenções “significativas”

DARREN STAPLES/REUTERS

São agora nove as pessoas mantidas sob custódia, anunciaram as autoridades, somando-se também mais uma morte ao total de vítimas: um homem de 75 anos que se encontrava em estado muito grave

A polícia britânica fez mais duas detenções na sequência das investigações sobre o ataque contra o parlamento ocorrido na quarta-feira. O total de pessoas mantidas sob custódia ascende agora a nove.

Segundo as autoridades do Reino Unido, trata-se de duas detenções “significativas”. Foram efetuadas durante a noite, uma no West Midlands e outra no noroeste do país, conforme referiu o chefe da polícia antiterrorista, Mark Rowley, em declarações aos jornalistas.

Inicialmente identificado como Khalid Massod, a polícia avançou também que o verdadeiro nome do homem por trás do ataque, antes de se ter convertido: Adrian Russell.

Na quarta-feira, o atacante atropelou, com o veículo que conduzia, várias pessoas que se encontravam na ponte de Westminster, antes de fazer chocar o automóvel contra as grades do parlamento.

“A nossa investigação centra-se na compreensão da sua motivação, o seu modo de operar e seus associados”, disse Rowley, citado pela Reuters.

A polícia quer perceber se o homem “agiu totalmente sozinho, talvez inspirado pela propaganda terrorista, ou se outros o encorajaram, apoiaram ou dirigiram”.

O balanço total de mortos foi também atualizado. Aumentou para quatro porque na noite de quinta-feira morreu um homem de 75 anos que se encontrava em estado muito grave, depois de ter sido atropelado.

Além do homem de 75 anos e do polícia Keith Palmer morreram no ataque uma mulher de origem espanhola, Aysha Frade, 43 anos, e um turista norte-americano, Kurt Cochran, de 54 anos. O atacante foi abatido.

  • Polícias e muçulmanos são protagonistas de vigília em Londres

    Parece impensável ver tantas pessoas numa concentração a conversar com tantos polícias ao mesmo tempo. Mas foi isso o que aconteceu na noite desta quinta-feira numa vigília em memória das vítimas do atentado do ontem em Londres, em que cinco pessoas morreram e 29 ficaram feridas

  • Theresa May: “Não temos medo”

    Apesar de não relevar a identidade do suposto autor do ataque desta quarta-feira no centro de Londres, a primeira-ministra britânica diz que o individuo já fora investigado por ligações extremistas mas considerado uma fígura periférica. May adianta que a polícia acredita que terá agido sozinho e que não há motivo para pensar em “mais ataques iminentes” planeados

  • Londres é Londres, mesmo depois de um atentado

    É uma cidade preparada para o pior, onde os procedimentos de segurança foram rapidamente postos em marcha e foi possível manter a calma, mesmo perante a óbvia gravidade do ataque e a consternação – contida – pelas suas consequências